sicnot

Perfil

País

Tribunal impõe prisão preventiva a presumível incendiário na Madeira

© Duarte Sa / Reuters

O Tribunal da Comarca da Madeira determinou hoje a prisão preventiva para um homem suspeito do crime de incêndio florestal na Camacha, concelho de Santa Cruz, informou o juiz presidente.


Paulo Barreto explicou aos jornalistas que o homem, de 50 anos, natural da Madeira, foi interrogado entre as 11:50 e as 13:10, após o que aguardará julgamento em prisão preventiva.

O juiz presidente da Comarca da Madeira disse, por outro lado, que a medida de coação imposta se fundamenta no "perigo de fuga" e na possibilidade de "continuação da atividade criminal", tendo em conta que é reincidente neste tipo de crime.

O suspeito foi detido pela Polícia de Segurança Pública de Santa Cruz, concelho da zona leste, na noite de 15 para 16 de agosto, por supostamente ter ateado fogo numa área florestal perto da casa onde reside, no sítio da Vale Paraíso, freguesia da Camacha.

Este é o segundo suspeito a quem o tribunal impôs a prisão preventiva na sequência dos incêndios que fustigaram a Madeira na semana passada e provocaram três mortos, um ferido grave e a destruição de mais de duas centenas de casas, particularmente no concelho do Funchal.

O primeiro suspeito tem 23 anos, é natural da Madeira e terá ateado o incêndio que deflagrou no dia 08 de agosto na freguesia de São Roque, no Funchal.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.