sicnot

Perfil

País

PJ detém suspeito de fogo florestal em Vila Pouca de Aguiar

A Polícia Judiciária (PJ) anunciou esta quinta-feira a detenção de um suspeito de atear fogo em Vila Pouca de Aguiar, distrito de Vila Real, elevando para 39 o número de detidos este ano pelo crime de incêndio florestal.

Através da Unidade Local de Investigação Criminal de Vila Real, a PJ identificou e deteve um suspeito de ter ateado um incêndio em área florestal na localidade de Cabanes, em Vila Pouca de Aguiar.

O homem tem 26 anos e não tem ocupação laboral.

De acordo com a polícia, este fogo, que deflagrou no dia 11 de agosto, cerca das 02:30, "colocou em perigo área florestal e habitações, que apenas não foram consumidas devido à rápida intervenção dos bombeiros".

Os bombeiros já estavam nesta localidade nas operações de rescaldo de um outro fogo, que atingiu duas habitações, uma delas habitada, e um armazém de feno, quando foram alertados para o incêndio florestal, do qual o detido é suspeito.

Também esta quinta-feira, a Diretoria do Centro da PJ anunciou a detenção de um pedreiro desempregado, de 53 anos, pela presumível prática de dois crimes de incêndio florestal, que terão ocorrido no dia 10, no concelho de Tondela, distrito de Viseu.

Segundo a polícia, em comunicado, para atear "os incêndios o suspeito usou um isqueiro".

Os dois detidos vão ser presentes às autoridades judiciárias competentes para primeiro interrogatório e aplicação de eventuais medidas de coação.

Desde o início do ano, a Polícia Judiciária já identificou e deteve 39 pessoas pela autoria do crime de incêndio florestal.

Lusa

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.