sicnot

Perfil

País

Quatro concelhos do continente apresentam risco máximo de incêndio

Quatro concelhos dos distritos de Castelo Branco e Faro apresentam hoje risco "máximo" de incêndio, informou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Os concelhos de Vila de Rei, Sardoal e Mação (distrito de Castelo Branco) e Monchique (Faro) estão hoje em risco 'Máximo' de incêndio, de acordo a página do IPMA na internet.

O Instituto colocou também em risco 'Muito Elevado' de incêndio 49 concelhos dos distritos de Aveiro, Viseu, Coimbra, Guarda, Castelo Branco, Santarém, Portalegre, Setúbal, Évora e Faro.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA engloba cinco níveis, que podem variar entre 'Reduzido' e 'Máximo'.

O cálculo é feito com base nos valores observados às 13:00 em cada dia, relativamente à temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

O IPMA prevê para hoje céu limpo com exceção da nebulosidade a norte do Cabo Mondego no final do dia e de uma pequena descida da temperatura mínima no norte e centro do continente.

Na Madeira esperam-se períodos com céu muito nublado e vento fraco.

No arquipélago dos Açores, o IPMA prevê céu com nuvens e períodos de chuva sobretudo nos grupos central e oriental.

Quanto às temperaturas, Faro e Évora vão atingir um máximo de 33 graus Celsius; 28 em Lisboa, 34 em Castelo Branco; 27 em Coimbra; 22 do Porto e 30 em Bragança.

No Funchal, Madeira, esperam-se 26 graus Celsius de temperatura máxima e 27 graus em Angra do Heroísmo, nos Açores.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.