sicnot

Perfil

País

Sentença do condutor de carrinha com pneu rebentado decorre segunda-feira

O Tribunal de Ponte de Sor marcou para segunda-feira a leitura da sentença do automobilista acusado do crime de fogo posto em Ponte de Sor e Alter do Chão, Portalegre, disse esta quinta-feira à agência Lusa fonte judicial.

O homem de 60 anos, que foi hoje julgado em processo sumário naquele tribunal do Alto Alentejo, é ainda acusado pelo Ministério Público pelo crime de condução sob o efeito do álcool.

Durante a sessão foram ouvidas nove testemunhas, quatro militares da GNR, três pessoas que presenciaram os factos e mais duas testemunhas arroladas pela defesa, tendo o tribunal decidido que a leitura da sentença será proferida pelas 14:30 de segunda-feira.

Fonte da GNR disse à Lusa no passado dia 09, data dos acontecimentos, que o automobilista foi detido pela guarda quando conduzia alcoolizado uma carrinha de caixa aberta, com o pneu dianteiro direito rebentado e com a jante, quase derretida, em contacto com o asfalto.

Esse contacto terá provocado faíscas que, projetadas para a berma da estrada, ao longo de cerca de 20 quilómetros, originaram perto de 30 pequenos focos de incêndio.

Na altura dos acontecimentos, a mesma fonte disse que existiam indícios de que o fogo de grandes dimensões que deflagrou nesse dia em Ponte de Sor e se propagou para o concelho vizinho de Alter do Chão teve origem no reacendimento de um dos focos de incêndio.

Segundo a GNR, a carrinha foi intercetada pela guarda, alertada por outros condutores para a situação, quando circulava na Estrada Nacional (EN) 119, no sentido Ponte de Sor-Alter do Chão, entre Vale de Açor e o cruzamento para Chança, zona onde deflagrou nesse dia um incêndio.

Fiscalizado pela GNR, o condutor, que reside na zona da Grande Lisboa e se deslocou ao Alentejo em lazer, foi submetido ao teste de alcoolemia, acusando uma taxa de álcool no sangue de 2,3 gramas por litro, enquadrada legalmente como crime.

Durante as operações de combate às chamas, um bombeiro recebeu assistência devido a intoxicação, por inalação de fumo, e foram cortadas temporariamente as estradas nacionais 119 e 537, indicou fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Portalegre.

O combate ao fogo, que deflagrou na zona de Vale de Açor, concelho de Ponte de Sor, na zona limítrofe com o município vizinho de Alter do Chão, mobilizou um total de 155 operacionais, com o apoio de 52 viaturas e um helicóptero.

Segundo os bombeiros, o incêndio, que chegou a ter duas frentes ativas, destruiu uma área agroflorestal, com olival, pasto, vinhas e montado, ainda por calcular.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.