sicnot

Perfil

País

PJ deteve suspeito de atear incêndio em Vagos

A Polícia Judiciária (PJ) de Aveiro anunciou esta sexta-feira a detenção de um homem, de 55 anos, suspeito de ter ateado um incêndio florestal no final da tarde do dia 12 de agosto em Vagos.

Segundo um comunicado da PJ, o detido é um servente de construção civil com problemas de alcoolismo e não tem antecedentes criminais.

"O suspeito deslocou-se para o local de bicicleta, tendo iniciado o incêndio com um isqueiro e um combustível acelerante, provavelmente gasolina", diz a PJ.

De acordo com os investigadores, o fogo consumiu cerca de um hectare de mato, eucaliptos e pinheiros adultos, tendo colocado em perigo a mata nacional adjacente, que se inicia do outro lado de um estradão.

A PJ diz que o incêndio não causou danos mais avultados, porque os populares deram de imediato o alerta e o fogo foi prontamente combatido pelos bombeiros.

O detido vai ser presente a primeiro interrogatório judicial para aplicação das medidas de coação.

Em 2016, a PJ diz ter já detido 41 pessoas pela autoria do crime de incêndio florestal.

Lusa

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45

    País

    Durante a abertura do ano judicial, a Procuradora-Geral da República e o presidente do Supremo Tribunal aproveitaram para deixar um recado à ministra da Justiça: é urgente aprovar o novo estatuto de juízes e magistrados. O presidente do Supremo diz que é injusta a má imagem da Justiça e pediu contenção aos magistrados.

  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38