sicnot

Perfil

País

Parque Peneda Gerês vai ter projeto piloto para prevenção de fogos

O Parque Nacional Peneda Gerês foi a área protegida escolhida para ter um projeto piloto visando a prevenção de fogos florestais, integrando medidas sobre cadastro, gestão do espaço e reforço dos meios, avançou esta sexta-feira o ministro do Ambiente.

O Governo decidiu que o Parque Nacional Peneda Gerês "vai ser o caso piloto para a prevenção de incêndios e o reforço da resiliência florestal a iniciar no imediato", disse à agência Lusa João Matos Fernandes.

O projeto foi decidido numa reunião realizada na segunda-feira, com participação do primeiro-ministro e outros governantes, como o ministro do Ambiente, e autarcas de Viana do Castelo, durante a deslocação dos responsáveis às áreas mais afetados pelos grandes incêndios da passada semana, como Arouca (distrito de Aveiro), S.Pedro do Sul (Viseu) e Peneda Gerês.

"Está neste momento a começar a ser desenhado este mesmo programa específico para a Peneda Gerês e as medidas [respeitarão] o cadastro, a informação cadastral, propostas de gestão florestal e de ordenamento florestal, envolvimento dos 'stakeholders' [parceiros] e de reforço dos meios", explicou o ministro do Ambiente.

João Matos Fernandes apontou que não se trata de separar os meios presentes no terreno dos meios de combate aos fogos.

"Os meios que estão presentes no terreno fazem a primeira intervenção quando existe uma ocorrência", referiu.

Na Peneda Gerês há 90 pessoas entre vigilantes (14), o corpo nacional de agentes florestais e os sapadores florestais que "desenvolvem as medidas preventivas para os incêndios e estão na primeira linha de combate aos incêndios, meios que serão reforçados no futuro próximo", salientou ainda o ministro.

O financiamento deste programa "vai ser feito através do Fundo Ambiental", que reúne todos os fundos da área do ambiente e foi aprovado no conselho de ministros dedicado ao ambiente, no início de junho.

"Até ao final de 2018, os programas das áreas protegidas têm de ser revistos e em todos, a começar na Peneda Gerês, e um dos principais objetivos, a par com a conservação da biodiversidade, será a proteção contra incêndios", realçou ainda o ministro do Ambiente.

Este ano já arderam 8.545 hectares em áreas protegidas, mais 16% que em igual período de 2015, e o Parque Nacional Peneda Gerês representou cerca de 80% deste total, com cerca de 7.000 hectares.

Lusa

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57

    País

    Tondela foi um dos municípios mais atingidos pelo incêndio, deixando dezenas de animais feridos e perdidos no concelho. Várias clínicas veterinárias são agora um porto de abrigo e, em alguns casos, um ponto de encontro. Muitos dos animais chegaram recolhidos por voluntários e a maior parte dos casos são animais que, no momento de aflição, foram soltos pelos donos e salvos pelo instituto de sobrevivência.

  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Maioria das praias do Algarve já não tem nadador-salvador
    2:19

    País

    A lei não obrigada os concessionários a garantir o serviço e, por isso, a esmagadora maioria das praias do Algarve está sem vigilância desde 30 de setembro. Ainda assim, os areais vão atraindo milhares de banhistas com as temperaturas altas que ainda se fazem sentir. Um nadador-salvador recomenda os banhistas a não nadar e, em dias de ondulação, evitar caminhadas à beira-mar.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31