sicnot

Perfil

País

"É absolutamente essencial voltar a valorizar a nossa floresta"

Paulo Cunha

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu este sábado a valorização da floresta, considerando que o país deve encarar este património como uma "grande prioridade" nos próximos anos.

"É absolutamente essencial voltar a valorizar a nossa floresta", afirmou António Costa, em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, ao realçar a importância de ordenar e cuidar da floresta para prevenir os incêndios e para criar riqueza.

Na sua opinião, a floresta portuguesa "só voltará a ser protegida se voltar a ser valorizada", aproveitando as suas riquezas económicas, ambientais e turísticas.

"Se nada for feito", no presente, como o ordenamento e o cadastro, adiado por sucessivos governos, a floresta "voltará a arder daqui a 10 anos", alertou o primeiro-ministro.

Segundo António Costa, "não devemos ter medo de fazer aquilo que é difícil e leva tempo a fazer", como será o caso do levantamento das propriedades rústicas, sobretudo a norte do rio Tejo.

"E o que é necessário fazer é o cadastro", a par da valorização da floresta e dos territórios de baixa densidade demográfica do interior, como é o caso de Pedrógão Grande, a cuja Câmara Municipal preside Valdemar Alves, um ex-profissional da Polícia Judiciária, eleito pelo PSD, pela primeira vez, em 2013.

Neste contexto, o primeiro-ministro realçou a importância da Unidade de Missão de Valorização do Interior, criada este ano, coordenada pela ambientalista e professora Helena Freitas, da Universidade de Coimbra.

Depois da reforma da Proteção Civil e da política de prevenção e combate aos fogos florestais, na década passada, os últimos 10 anos "não foram devidamente aproveitados" no sentido de concretizar o ordenamento florestal.

"Temos hoje de fazer uma reforma da floresta", preconizou António Costa, realçando que "há um problema de cadastro a norte do Tejo", no Centro e no Norte, onde predomina a pequena propriedade florestal e agrícola.

A floresta, segundo o líder do Governo, "tem de ser gerida, tratada, ordenada e certificada", para que seja "uma fonte de riqueza e não uma ameaça" para pessoas, bens e habitações.

Em Pedrógão Grande, António Costa visitou os terrenos da futura Área Empresarial do concelho, onde as terraplenagens estão a ser efetuadas com apoio de máquinas e militares do Regimento de Engenharia 3, de Espinho.

Seguiu-se a inauguração de um monumento comemorativo dos 600 anos da conquista de Ceuta, em 1415, que evoca dois cidadãos de Figueiró e Pedrógão que foram capitães e governadores daquela praça do Norte de África, João Rodrigues de Vasconcelos Ribeiro e seu filho Rui Mendes de Vasconcelos Ribeiro.

Foi também inaugurado um espaço de trabalho da Comunidade Intermunicipal da Região de Leiria.

Lusa

  • Governo prepara pacote de medidas para matas ardidas

    País

    O Governo vai preparar um pacote de medidas para as matas nacionais afetadas pelos incêndios, que passa pela elaboração de um relatório de ocorrências, por um programa de intervenção e pela aplicação da receita da madeira nessas matas.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • Acabou o estado de graça

    Sá Carneiro dizia que qualquer Governo tem direito a um estado de graça de 100 dias. E que, depois disso, já não tem margem para deitar culpas ao Governo anterior. O discurso de Marcelo, no terreno, junto das vítimas, e não na torre de marfim de Belém, marca o tal "novo ciclo" que o Presidente há muito tinha anunciado, com data marcada: depois das autárquicas.

    Pedro Cruz

  • "O primeiro-ministro falhou em toda a linha"
    4:36

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares não acredita que a ministra da Administração Interna se despediu: "ela foi demitida pela Presidente ontem à noite publicamente". No Jornal da Noite, esta quarta-feira, o comentador da SIC declarou que o primeiro-ministro "falhou em toda a linha" e questionou se António Costa tinha a "coragem política de fazer o que é preciso". Sobre os incêndios, Miguel Sousa Tavares disse ainda que o maior problema não era haver reacendimentos, mas sim "não serem logo apagados e propagarem-se".

    Miguel Sousa Tavares

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • "O povo exige um novo ciclo"
    1:10

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exige que o primeiro-ministro faça um pedido de desculpas público às famílias das vítimas dos incêndios. A Presidente da Associação pede ainda a demissão do comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Após a reunião desta quarta-feira com António Costa, Nádia Piazza anunciou que o Governo assume as mortes de junho passado e chegou a acordo com os familiares das vítimas.

  • Uso de véu que tape o rosto proibido em serviços públicos no Quebec, Canadá
    1:04
  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de 5 anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.