sicnot

Perfil

País

Falta vontade política para acabar com o abandono de animais, denuncia Ordem Veterinários

© Issei Kato / Reuters

O bastonário da Ordem dos Médicos Veterinários acusou hoje os políticos de terem pouca vontade de resolver o problema do abandono dos animais e de não estarem criadas facilidades, ao nível autárquico e nacional, para as pessoas os terem.


"Portugal é um país com bastantes dificuldades para quem tem animais de companhia: não podem entrar em transportes e espaços públicos, como restaurantes, ou hotéis", disse Jorge Cid.

A propósito do Dia Internacional do Animal Abandonado, que se assinala sábado, o veterinário alertou ainda para "a falta de sensibilidade, por parte das autarquias, na urbanização".

"Cada vez se fazem mais urbanizações e com cada vez menos espaços verdes para as pessoas e também para os animais", adiantou.

Jorge Cid considera que "não há vontade política no país para resolver o problema", afirmando que "não são criadas facilidades para a pessoa ter um animal de companhia".

Outro aspeto que dificulta a vida aos detentores de animais de companhia é, segundo o bastonário, o IVA (23 por cento) que é aplicado na alimentação e cuidados médicos aos animais, que "não faz sentido".

"Tudo é contra o animal de companhia", afirmou, concluindo que "não são criadas facilidades ao nível autárquico e nacional para facilitar a detenção de animais de companhia".

Sobre a criminalização dos maus tratos dos animais, o bastonário defendeu "bom senso" na sua aplicação.

"Uma pessoa que está no interior do país e que tem um animal preso, se calhar não sabe que isso é mau trato. É preciso elucidar as pessoas", disse.

Jorge Cid sublinhou que Portugal "ainda é um país de grandes diferenças culturais. Tudo requer muito tempo e muita pedagogia".

"Primeiro tem que se informar, educar, para depois penalizar", afirmou.

A questão do abandono dos animais preocupa a Ordem dos Médicos Veterinários.

"Sentimos mais na pele e somos parte integrante da resolução dessa problemática", disse, considerando que ainda "continua a haver muitos animais abandonados".

Segundo a Ordem, que cita dados da Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV), em 2015 os canis municipais nacionais recolheram 30.192 animais (23.706 cães e 6 486 gatos).

Destes, 12.073 acabaram por ser abatidos, 2.128 voltaram aos donos e 12.567 foram adotados.

Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Pj ainda não fez detenções relacionadas com atropelamento de adepto italiano
    1:52

    Desporto

    As autoridades policiais confirmaram à SIC que o atropelamento que fez este sábado uma vítima mortal, junto ao Estádio da Luz, não terá sido acidental. A Policia Judiciária já saberá quem foi o autor do atropelamento. O homem faria parte do grupo de adeptos do Benfica, que se envolveram em confrontos com adeptos do Sporting.