sicnot

Perfil

País

Continente em risco muito elevado de exposição à radiação UV

Todas as regiões do continente (18) e o arquipélago da Madeira apresentam hoje risco "Muito Elevado" de exposição à radiação ultra violeta (UV), informou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

A ilha do Faial, no arquipélago dos Açores, apresenta igualmente risco "Muito Elevado" de exposição aos raios UV.

Para as regiões com risco 'Muito Elevado' e 'Elevado', o instituto recomenda o uso de óculos de sol com filtro UV, chapéu, 't-shirt', guarda-sol e protetor solar, além de desaconselhar a exposição das crianças ao sol.

Os índices UV variam entre menor do que 2, em que o UV é 'Baixo', 3 a 5 ('Moderado'), 6 a 7 ('Elevado'), 8 a 10 ('Muito Elevado') e superior a 11 ('Extremo').

O IPMA prevê para hoje céu limpo e vento fraco durante a manhã e pequena subida da temperatura em Portugal continental.

No arquipélago dos Açores prevê-se céu muito nublado e aguaceiros nos grupos central e ocidental.

Na Madeira estão previstos períodos de céu nublados e possibilidade de chuva.

Em Santarém espera-se que a temperatura venha a atingir os 39 graus Celsius, 38 em Évora e Beja, 37 em Castelo Branco e Braga, 36 em Coimbra, 35 em Viseu e Bragança, 34 em Lisboa, 33 em Faro, 32 na Guarda e 30 no Porto e Viana do Castelo.

Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.