sicnot

Perfil

País

Continente em risco muito elevado de exposição à radiação UV

Todas as regiões do continente (18) e o arquipélago da Madeira apresentam hoje risco "Muito Elevado" de exposição à radiação ultra violeta (UV), informou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

A ilha do Faial, no arquipélago dos Açores, apresenta igualmente risco "Muito Elevado" de exposição aos raios UV.

Para as regiões com risco 'Muito Elevado' e 'Elevado', o instituto recomenda o uso de óculos de sol com filtro UV, chapéu, 't-shirt', guarda-sol e protetor solar, além de desaconselhar a exposição das crianças ao sol.

Os índices UV variam entre menor do que 2, em que o UV é 'Baixo', 3 a 5 ('Moderado'), 6 a 7 ('Elevado'), 8 a 10 ('Muito Elevado') e superior a 11 ('Extremo').

O IPMA prevê para hoje céu limpo e vento fraco durante a manhã e pequena subida da temperatura em Portugal continental.

No arquipélago dos Açores prevê-se céu muito nublado e aguaceiros nos grupos central e ocidental.

Na Madeira estão previstos períodos de céu nublados e possibilidade de chuva.

Em Santarém espera-se que a temperatura venha a atingir os 39 graus Celsius, 38 em Évora e Beja, 37 em Castelo Branco e Braga, 36 em Coimbra, 35 em Viseu e Bragança, 34 em Lisboa, 33 em Faro, 32 na Guarda e 30 no Porto e Viana do Castelo.

Lusa

  • Árbitros recuam e vão apitar jogos do próximo fim de semana

    Desporto

    Os árbitros recuaram esta quarta-feira na intenção de não comparecer nos jogos do próximo fim de semana. Depois de na terça-feira a maioria dos juízes terem apresentado um pedido de dispensa dos jogos da 12.ª jornada do campeonato, esta quarta-feira adiaram a decisão após uma reunião com o Conselho de Arbitragem.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • Jorge Jesus e Ana Malhoa contra o consumo de sal
    1:21
  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.