sicnot

Perfil

País

GNR deteve 26 pessoas por tráfico de estupefacientes no Boom Festival

A GNR de Castelo Branco anunciou hoje a detenção de 26 pessoas por tráfico de estupefacientes e várias apreensões de droga durante uma operação de segurança no âmbito do Boom Festival, em Idanha-a-Nova.

Em comunicado, a GNR adiantou que a operação, realizada entre os dias 01 e 21 de agosto, culminou com a detenção de 26 pessoas por tráfico de estupefacientes, dos quais 20 são homens e seis mulheres.

No decorrer da operação, que teve o apoio da Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, Proteção Civil Distrital e Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), foram ainda apreendidas 3.083 doses de haxixe, 2.624 doses de cocaína, 1.814 gramas de cogumelos alucinogénios, 280 gramas de liamba, 136 gramas de ecstasy, três balanças digitais de precisão e uma viatura.

A GNR aplicou ainda 36 contraordenações a 21 homens e a 15 mulheres por consumo de estupefacientes.

Durante os 21 dias da operação estiveram envolvidos um total de 960 militares em policiamento em ações de investigação criminal, manutenção da ordem pública, trânsito, proteção do ambiente, entre outras.

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.