sicnot

Perfil

País

GNR intensifica até domingo controlo de velocidade nas vias de maior risco

A GNR intensifica, de hoje até domingo, as ações de controlo de velocidade nas vias de maior risco em acidentes de viação, depois de, este ano, já terem sido detetados mais de 100 mil condutores em excesso de velocidade.

Segundo a GNR, a operação "Tispol Speed Operation" decorre em todo o país, com equipamentos de controlo de velocidade móveis e fixos, e incide sobre as vias onde o excesso de velocidade apresenta um risco acrescido de acidentes de viação, em particular nas vias situadas no interior das localidades.

Em 2016, foram controlados mais de cinco milhões de condutores, dos quais mais de 100 mil circulavam em excesso de velocidade, com o distrito de Aveiro a registar o maior número de infrações (13.722), seguido de Leiria (12.264) e Lisboa (11.459).

Porto (9.440) e Setúbal (8.283) foram outros distritos com um elevado número de condutores detetados em excesso de velocidade, tendo Portalegre (930) sido o distrito com menos infrações nesse capítulo.

A GNR lembra que o excesso de velocidade é uma das principais causas da sinistralidade rodoviária, com mortos e feridos graves, em Portugal.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.