sicnot

Perfil

País

GNR intensifica até domingo controlo de velocidade nas vias de maior risco

A GNR intensifica, de hoje até domingo, as ações de controlo de velocidade nas vias de maior risco em acidentes de viação, depois de, este ano, já terem sido detetados mais de 100 mil condutores em excesso de velocidade.

Segundo a GNR, a operação "Tispol Speed Operation" decorre em todo o país, com equipamentos de controlo de velocidade móveis e fixos, e incide sobre as vias onde o excesso de velocidade apresenta um risco acrescido de acidentes de viação, em particular nas vias situadas no interior das localidades.

Em 2016, foram controlados mais de cinco milhões de condutores, dos quais mais de 100 mil circulavam em excesso de velocidade, com o distrito de Aveiro a registar o maior número de infrações (13.722), seguido de Leiria (12.264) e Lisboa (11.459).

Porto (9.440) e Setúbal (8.283) foram outros distritos com um elevado número de condutores detetados em excesso de velocidade, tendo Portalegre (930) sido o distrito com menos infrações nesse capítulo.

A GNR lembra que o excesso de velocidade é uma das principais causas da sinistralidade rodoviária, com mortos e feridos graves, em Portugal.

Lusa

  • Confirmados dois novos casos de legionella

    Legionella

    Dois novos casos de legionella foram esta quarta-feira confirmados. A informação foi avançada em comunicado pela Direção-Geral da Saúde. Tratam-se de duas pessoas com mais de 80 anos, internadas no Hospital São Francisco Xavier e no Egas Moniz, ambas em situação clínica estável.

  • Quem é o novo Presidente do Zimbabué?
    2:15

    Mundo

    Emmerson Mnangagwa é o sucessor de Robert Mugabe que regressou esta quarta-feira da África do Sul, onde estava refugiado. No primeiro discurso, o Presidente do Zimbabué falou de uma nova democracia no país. Mnangagwa, conhecido como crocodilo, é suspeito de atrocidades na guerra civil pós-independência. 

  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • O que aprendemos com secas anteriores?
    32:50