sicnot

Perfil

País

Instituto de Medicina Legal diz que irregularidades foram ou estão a ser ultrapassadas

O Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses (INMLCF) indicou esta terça-feira que "todas as pequenas irregularidades" apontadas pelo Tribunal de Contas (TdC), incluindo a renovação de contratos de médicos, "foram ou estão a ser devidamente ultrapassadas".

Um relatório do TdC, hoje divulgado, concluiu que o instituto renovou, sem o poder fazer, a contratação de 59 especialistas, incluindo médicos, em regime de avença, para perícias médico-legais.

Reagindo às conclusões da auditoria do TdC, o conselho diretivo do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses justificou, em comunicado, a renovação dos contratos com a "urgente necessidade de serviço", dado que, de outro modo, "a atividade pericial do INMLCF seria gravemente afetada a nível nacional, podendo mesmo inviabilizar decisões judiciais".

A nota assinala que "todas as pequenas irregularidades mencionadas no relatório do TdC", que o instituto considera "normais na gestão quotidiana de serviços públicos", e que incluem a renovação dos contratos de peritos, "foram já ou estão já a ser devidamente ultrapassadas".

À Lusa, o Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses adiantou que a situação dos 59 profissionais será regularizada por contratos em regime de ajuste direto, enquanto não ficar concluído o concurso para a contratação de 305 peritos médico-legais (médicos e técnicos) em todo o país e cujo aviso de abertura será publicado em setembro.

No âmbito deste concurso, ao qual podem concorrer os 59 peritos médico-legais, o INMLCF espera assinar contratos em janeiro de 2017.

O instituto alegou que se vê obrigado a recorrer, várias vezes, à contratação em regime de avença, devido aos concursos ficarem com vagas por preencher.

De acordo com o tribunal, a renovação de diversos contratos de prestação de serviços, por deliberação do conselho diretivo, a 15 de janeiro de 2015, "já não era possível, por caducidade" dos mesmos, 14 dias antes, pelo que essa deliberação é nula.

Para o TdC, que auditou as contas de 2015 do instituto, tal procedimento consubstancia, na prática, "a celebração de novos contratos, sem observância das formalidades legais".

O relatório refere que os contratos, que o conselho diretivo do INMLCF resolveu renovar, "em estado de urgência decorrente de deficiente funcionamento organizacional", tinham esgotado o limite máximo de renovações, que é de três anos, e abrangem 59 profissionais: 25 psicólogos clínicos, quatro anatomopatologistas, 11 peritos médico-legais, 18 auxiliares de autópsias e um enfermeiro.

O instituto alegou, em sede de contraditório, que os contratos foram celebrados ao abrigo do Regime Jurídico das Perícias Médico-Legais e Forenses, pelo que, sustentou, "não é correta a interpretação efetuada pelo Tribunal de Contas de que 'essas renovações eram juridicamente impossíveis'".

O TdC salienta, porém, que, além do prazo para a renovação dos contratos ter expirado, o mesmo regime jurídico apenas permite a contratação de médicos especialistas ou outros médicos de "reconhecida competência em áreas específicas".

No relatório, o tribunal recomenda, nestas circunstâncias, ao instituto que "promova urgentemente concursos de prestação de serviços para as perícias médico-legais".

O Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses tem, até outubro, para comunicar ao Tribunal de Contas "as medidas adotadas, acompanhadas dos suficientes comprovativos".

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.