sicnot

Perfil

País

Unidade Antiterrorismo funciona em permanência a partir quarta-feira

A Unidade de Coordenação Antiterrorismo (UCAT), que congrega elementos das secretas, PJ, PSP, GNR, SEF e Polícia Marítima, vai funcionar em permanência e de "modo reforçado" a partir de quarta-feira, segundo um decreto publicado hoje no Diário da República.

O funcionamento em permanência e "de modo reforçado" da UCAT, anunciado a 21 de julho pela ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, no final de uma reunião do Conselho de Ministros, decorre da publicação do decreto regulamentar n.º 2/2016, da Presidência do Conselho de Ministros, publicado hoje em Diário da República.

A regulamentação da organização e funcionamento da UCAT, coordenada pela secretária-geral do Sistema de Segurança Interna, vai dotar esta estrutura, que já existe, de uma equipa em permanência e reforçar a sua capacidade operacional.

"Com este decreto regulamentar o que se visa é reforçar o apoio operacional a esta estrutura, que já existe, funciona e congrega todas as forças e serviços de segurança", disse, na altura, Constança Urbano de Sousa.

O reforço da UCAT era uma das medidas previstas na Estratégia Nacional de Combate ao Terrorismo, aprovada em 2015.

Atualmente, a UCAT, com elementos do SIS, PJ, SEF, PSP, GNR e Polícia Marítima, reúne-se semanalmente e extraordinariamente sempre que necessário para troca e partilha de informação.

Com a regulamentação, esta estrutura passa a funcionar de "forma mais eficiente e permanente", sendo a sua atuação reforçada, adiantou Constança Urbano de Sousa.

Segundo a ministra da Administra Interna, a UCAT vai passar a ser dotada de uma equipa em permanência oriunda das forças e serviços de segurança, que vai trabalhar em permanência e funcionar 24 horas por dia.

"A UCAT existia já informalmente, trabalhava na partilha de informação, mas neste momento aquilo que se pretende é institucionalizar e dar corpo a uma estrutura, que prossiga essa atividade, mas de modo permanente, reforçado e com outro nível de capacitação, não só ao nível da recolha e da partilha de informação, como também ao nível do acompanhamento de execução dos vários planos que existem em matéria de combate ao terrorismo", explicou a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, na conferência de imprensa do Conselho de Ministros de 21 de julho.

Francisca Van Dunem esclareceu que "não está propriamente em causa um eventual ataque terrorista específico a Portugal", embora todos os países europeus sejam potenciais alvos.

"Não há indicação de que haja ameaça, mas o Governo está a trabalhar no sentido de reforçar a capacitação das forças e serviços de segurança para esta área do terrorismo", disse, garantindo que há "uma articulação e sintomia absoluta entre a justiça e a administração interna nessa matéria".

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.