sicnot

Perfil

País

PJ detém suspeito de colocar fogo em Leiria

A Polícia Judiciária anunciou esta quinta-feira que, através do Departamento de Investigação Criminal de Leiria, com a colaboração da Guarda Nacional Republicana, deteve um homem suspeito de um crime de incêndio florestal.

Em comunicado, a PJ adianta que o suspeito "terá agido num quadro impulsivo e depressivo" e que "influenciado pela sucessiva divulgação de imagens de calamidades recentes ateou o incêndio em área arborizada por eucaliptos na localidade de Amor, em Leiria, esta quarta-feira, cerca das 15:00".

Em declarações à agência Lusa, o coordenador da PJ de Leiria, António Sintra, explicou que o homem "terá ateado o incêndio através de chama direta, com recurso a um isqueiro".

"Algumas pessoas perceberam que estava a eclodir um incêndio e de imediato intervieram e chamaram várias autoridades", acrescentou o coordenador, salientando que foi o "esforço e a reação rápida dos cidadãos que ajudou a debelar o incêndio e a impedir que este progredisse".

Algumas "conversas entre os locais" foram "dando indicações relevantes sobre o suspeito", que foi "localizado e abordado" pelas autoridades "durante a noite".

Segundo António Sintra, trata-se de uma pessoa com historial de problemas psíquicos, solteiro, fiel de armazém desempregado.

O homem, de 43 anos, foi hoje presente a um juiz do Tribunal de Leiria, onde ainda estará a ser ouvido, para que lhe sejam decretadas as medidas de coação convenientes.

No decurso do corrente ano a Polícia Judiciária já identificou e deteve 48 pessoas pela autoria do crime de incêndio florestal.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras