sicnot

Perfil

País

Corpos das três brasileiras já foram transportados para Instituto de Medicina Legal

As três mulheres brasileiras encontradas mortas num poço de um canil em Cascais já foram transportadas para o Instituto de Medicina Legal (IML) de Lisboa, disse à Lusa o comandante dos Bombeiros da Parede, Pedro Araújo.

As autoridades encontraram hoje nas imediações de um hospital veterinário em Tires os corpos das jovens desaparecidas desde fevereiro "num tanque que faz de fosso do canil", contou à Lusa Pedro Araújo.

"As raparigas tinham entre os 18 e os 25 anos e a mãe de uma delas dizia que a filha estava grávida", acrescentou.

As raparigas estavam desaparecidas desde fevereiro e o seu desaparecimento estava a ser investigado há vários meses pela Policia Judiciária (PJ).

Hoje, as autoridades encontraram os corpos das vítimas em avançado estado de decomposição e com "sinais evidentes de estarem naquele sítio há muito tempo", acrescentou.

Os corpos das três raparigas já foram transportados para o Instituto de Medicina Legal de Lisboa, contou à Lusa Pedro Araújo.

Já em abril deste ano as equipas de investigação tinham estado naquela zona a procurar as jovens, uma vez que o principal suspeito do crime, o namorado da rapariga grávida, trabalhava na zona.

"O alegado autor [dos crimes] já estava no Brasil e através da investigação das autoridades portuguesas e brasileiras o suspeito foi detido e foi possível localizar os corpos", explicou o comandante.

A corporação de bombeiros recebeu ao final da manhã um alerta da Polícia Judiciária (PJ) para que fosse retirada a água de um tanque.

Lusa

  • A mentira olímpica dos nadadores norte-americanos
    1:30

    Rio 2016

    O Comité Olímpico norte-americano pediu desculpa às autoridades brasileiras pelo comportamento dos quatro nadadores que apresentaram queixa por furto, no Rio de Janeiro. Os atletas terão mentido à polícia. Depois de descoberta a verdade, os atletas tiveram de pagar multas avultadas à justiça brasileira para regressar aos Estados Unidos da América.

  • Três mulheres encontradas mortas numa quinta em Tires
    3:31

    País

    A Polícia Judiciária encontrou os corpos de três mulheres brasileiras que estavam desaparecidas desde fevereiro. Os inspetores da Unidade Nacional Contra o Terrorismo estão no local, em Tires. Duas das mulheres são irmãs, a terceira era uma amiga. Foram encontradas num tanque junto a um hotel de cães, nesta zona do concelho de Cascais.

  • Mãe de Michelle e Lidiana: "Nunca imaginei que ele as tivesse matado"
    4:38

    País

    A Polícia Judiciária encontrou os corpos de três mulheres brasileiras que estavam desaparecidas desde fevereiro. A mãe de duas das vítimas, Michelle e Lidiana, esteve em direto ao telefone na antena da SIC Notícias. Solange Santana Leite diz que nunca imaginou que o alegado homicida fosse capaz de matar as suas filhas.

  • Autor do crime estará no Brasil
    1:49

    País

    A Polícia Judiciária encontrou os corpos de três mulheres brasileiras que estavam desaparecidas desde fevereiro. O autor do crime estará no Brasil e ainda não foi detido.

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.