sicnot

Perfil

País

Dois mil hectares de floresta arderam em Abrantes e Sardoal

O incêndio que lavrou esta semana em Abrantes e Sardoal (distrito de Santarém), combatido durante 57 horas e que mobilizou 959 operacionais, atingiu três habitações e consumiu uma área florestal de cerca de 2.000 hectares, avançaram as autoridades.

Em comunicado, a direção da Associação dos Bombeiros Voluntários de Abrantes refere que neste concelho foram afetadas as freguesias de Aldeia do Mato e Souto, Carvalhal, Fontes, Abrantes e Alferrarede.

Em Abrantes, onde arderam parcialmente duas habitações e cerca de 1.300 hectares de floresta, algumas famílias foram retiradas de casa como medida de prevenção na localidade de Sentieiras e foram realojadas pelos serviços sociais do município, em articulação com a Segurança Social de Santarém.

No concelho de Sardoal, onde arderam 700 hectares de floresta, o incêndio destruiu uma casa de habitação na aldeia de São Simão, localidade que chegou a ser evacuada depois de cercada pelas chamas.

Os três residentes foram "realojados em casa de familiares, temporariamente".

Em declarações à Lusa, o presidente do município de Sardoal, Miguel Borges, disse que esta família "vai ser realojada rapidamente numa casa da Câmara", acrescentando que os serviços municipais "estão a ajudar na remoção dos escombros, na elaboração de um relatório com a avaliação completa dos estragos e prejuízos, e no acompanhamento da situação emocional da família".

A Câmara de Abrantes, por sua vez, refere em comunicado estar "empenhada em fazer o levantamento dos prejuízos, identificar situações de eventual emergência social, contando com a colaboração de diversas entidades", mantendo "a disponibilidade para minimizar e superar os efeitos do flagelo".

Relativamente à casa de primeira habitação atingida parcialmente (cobertura danificada) na freguesia de Carvalhal, "técnicos da Câmara e da Segurança Social fizeram já um primeiro levantamento sobre as necessidades, tendo a Caritas Diocesana de Portalegre manifestado disponibilidade para apoiar a sua reconstrução", acrescenta.

As operações para a extinção incêndio que deflagrou perto das 13:50 horas do dia 23 de agosto (terça-feira) na freguesia das Fontes (concelho de Abrantes) foram dadas como concluídas às 01:00 de hoje.

Nesta ocorrência estiveram envolvidos 959 operacionais, 327 veículos, 14 máquinas de rasto e 13 meios aéreos.

No terreno estiveram presentes 108 entidades, das quais 89 eram corpos de Bombeiros.

A direção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Abrantes refere ainda no seu comunicado que o trabalho do dispositivo "foi um êxito", notando que "era um incêndio que tinha todas as condições para se propagar por mais quatro ou cinco dias e foi extinto em 57 horas".

Lusa

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Filhos tentam anular casamento de pai de 101 anos

    País

    O casamento de um homem de 101 anos com uma mulher com metade da idade, em Bragança, está a ser contestado judicialmente pelos filhos do idoso, que acusam aquela que era empregada da família de querer ser herdeira.