sicnot

Perfil

País

Madeira vai precisar de 157 milhões para fazer frente aos prejuízos

O Governo Regional da Madeira avaliou em 157 milhões de euros as necessidades para fazer frente aos prejuízos causados pelos incêndios na segunda semana de agosto, informou o secretário regional das Finanças e Administração Pública, Rui Gonçalves.

O Governo Regional da Madeira avaliou em 157 milhões de euros as necessidades para fazer frente aos prejuízos causados pelos incêndios na segunda semana de agosto, informou hoje o secretário regional das Finanças e Administração Pública, Rui Gonçalves.

O governante madeirense revelou também que 62,5 milhões de euros já têm financiamento garantido.

As declarações foram feitas aos jornalistas após uma reunião de trabalho entre o Governo da república, Governo Regional e autarquias afetadas, nomeadamente Funchal, Calheta, Ponta do Sol e Santa Cruz.

O secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Nelson de Souza, especificou, por seu lado, que dos 157 milhões de euros, 100 milhões são de prejuízos e o restante são para medidas preventivas, onde se incluem a limpeza escarpas e taludes, que perderam o coberto vegetal.

"Apresentamos os custos associados aos incêndios que devastaram a Região autónoma da Madeira no início de agosto e o montante que foi apurado é de 157 milhões de euros", disse o secretário regional das Finanças da Madeira.

Rui Gonçalves salientou que o proposto comum dos governos regional e da República é de "rapidamente encontrar soluções para os problemas que decorreram dos incêndios e também garantir a totalidade do financiamento necessário".

O secretário disse ainda que a Região tem "neste momento financiamento garantido para 62,5 milhões de euros de prejuízos".

O secretário de Estado, Nelson Sousa, precisou, contudo, que o apuramento tem duas dimensões, sendo uma "o apuramento efetivo dos danos dos prejuízos causados, uma verba perto de 100 milhões de euros" e a outra de "verbas de medidas preventivas projetadas para o futuro de perto de 56 milhões de euros basicamente centradas na necessidade de reflorestação das zonas ardidas".

Revelou que foi acordado abrir um concurso que permita ao Governo Regional e aos municípios apresentar candidaturas ao PT 2020 no valor de 36 milhões de euros para projetos de limpeza, consolidação de taludes e reposição da capacidade operacional das estruturas de proteção civil.

"Requereu disponibilidade política, vontade de realizar e encontrar soluções e, sobretudo, do empenho de equipas, quer dos municípios, das estruturas do Governo Regional e e disponibilidade do Governo da República que desde logo não negou e sempre mostrou empenhamento", concluiu.

O secretário de Estado da Indústria, João Vasconcelos, deu a conhecer que o "Ministério da Economia vai lançar 22 milhões de euros de crédito bonificado, uma linha específica para o turismo de 12 milhões de euros e uma linha de 10 milhões de euros para outras indústrias e serviços".

O secretário de Estado Adjunto do Ambiente, José Mendes, referiu que os incêndios afetaram cerca de 230 famílias e que os custos dos danos causados estão estimados entre 15 e 20 milhões de euros.

"O Governo vai ativar o programa de apoio à habitação Prohabita", anunciou.

O presidente da Câmara Municipal do Funchal, que numa primeira fase apresentou um inventário de prejuízos no concelho de 61 milhões de euros, disse que a autarquia não tem "nada a obstar" ao valor total apurado pelo Governo Regional.

O autarca esclareceu que a construção das habitações destruídas pelos incêndios será da "inteira responsabilidade" do Governo Regional, cabendo a gestão urbanística à Câmara Municipal, sobretudo ao nível dos licenciamentos, ordenamento do território e elaboração dos projetos de arquitetura e especialidades.

Paulo Cafôfo indicou, também, que competirá ao executivo regional a aquisição de materiais e equipamentos para a proteção civil, ao passo que o processo de consolidação de escarpas e taludes que perderam o coberto vegetal será repartido entre as duas entidades ao nível das candidaturas, do financiamento e da execução das obras.

Uma nova reunião está agendada para 14 de setembro em Lisboa.

Lusa

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.