sicnot

Perfil

País

O tempo para hoje

O tempo para hoje

O IPMA prevê para hoje períodos de céu muito nublado, apresentando-se em geral muito nublado e com neblina ou nevoeiro, no litoral a norte do Cabo Raso, até final da manhã.

Estão previstos igualmente aguaceiros que podem ser acompanhados de trovoada e queda de granizo, em especial nas regiões do interior Norte e Centro.

O vento será fraco (inferior a 15 km/h), soprando moderado (20 a 30 km/h) do quadrante leste no Algarve e moderado a forte (30 a 40 km/h), com rajadas até 65 km/h, nas terras altas das regiões Centro e Sul.

Para os Açores o IPMA prevê para as ilhas do grupo ocidental, períodos de céu muito nublado com boas abertas, com aguaceiros fracos na madrugada e o vento a soprar de noroeste moderado (20/30 km/h), rodando para norte.

Já para as ilhas do grupo central e oriental, prevê-se céu muito nublado, com boas abertas a partir da tarde, períodos de chuva na madrugada e manhã, passando a aguaceiros fracos.

Na Madeira, o IPMA espera períodos de céu muito nublado, aguaceiros, em especial nas vertentes norte e nas terras altas e o vento moderado (20 a 30 km/h) do quadrante norte, soprando forte (35 a 45 km/h) nas terras altas até ao início da tarde.

Segundo o IPMA as temperaturas vão atingir os 37 graus Celsius em Beja, Évora e Santarém; 36 em Castelo Branco; 33 em Bragança, Vila Real, Viseu; 33 em Coimbra, Lisboa e Braga; 31 em Faro; 25 no Funchal e Angra do Heroísmo; 26 em Ponta Delgada e 25 em Santa Cruz.

Com Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.