sicnot

Perfil

País

Autópsias das três mulheres encontradas em Tires realizam-se terça-feira

As autópsias das três mulheres encontradas mortas na sexta-feira em Tires, Cascais, realizam-se na terça-feira, disse à agência Lusa o assessor do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses (INMLCF).

A ordem do Ministério Público para a realização das autópsias chegou esta segunda-feira de manhã à delegação do Sul do Instituto, em Lisboa, e dada a complexidade das mesmas, que envolverão a utilização de recursos radiológicos, só se realizarão na terça-feira, acrescentou Mário Martins.

Os corpos das três mulheres, alegadamente de três brasileiras desaparecidas desde fevereiro, foram encontrados na sexta-feira à tarde num poço de um hotel para animais em Tires, Cascais e chegaram à delegação de Lisboa do INMLCF depois das 18:00 de sexta-feira.

Durante a manhã desta segunda-feira os peritos do Instituto estiveram a avaliar o estado dos cadáveres para determinar quais os peritos e que tipo de exames era necessário fazer para os identificar, indicou.

Na altura da descoberta dos corpos, o comandante dos Bombeiros da Parede, Pedro Araújo, disse à Lusa tratar-se dos corpos de três jovens brasileiras - as irmãs Michelle e Lidiana Santana, de 28 e 16 anos, respetivamente, e uma amiga destas, Thayane Mendes, de 21 - desaparecidas desde fevereiro.

Dinai Alves Gomes, um jovem brasileiro com quem Michelle mantinha uma relação conjugal, e que chegou a trabalhar no hotel de animais onde os corpos das jovens foram encontrados, é o principal suspeito da morte das três jovens.

Em abril último, as equipas de investigação estiveram na zona do hotel para animais Monte dos Vendavais a procurar as jovens, uma vez que o principal suspeito do crime, o namorado da rapariga grávida, trabalhava na zona.

Dinai Gomes fugiu, entretanto, para o Brasil onde, segundo a imprensa, estará sob vigilância da Polícia Federal em Novo Cruzeiro, no estado de Minas Gerais.

Lusa

  • Perícias médico-legais às brasileiras marcadas para segunda-feira
    6:45

    País

    As autoridades vão na próxima segunda-feira fazer as perícias médico-legais aos três corpos encontrados numa fossa em Tires. Dinai Gomes, o principal suspeito de ter assassinado as mulheres brasileiras, está ao que tudo indica no Brasil. A PJ quer saber quem morreu primeiro e de que forma agiu o suspeito.

  • Homicida das três brasileiras entregou-se às autoridades
    4:08

    País

    Três mulheres brasileiras, desaparecidas desde fevereiro, foram encontradas esta sexta-feira mortas em Tires, Cascais. O suspeito está no Brasil e terá confessado o crime. Uma das mulheres estava grávida. Ivani Flora, correspondente da SIC no Brasil, conta que os "parentes suspeitavam que as brasileiras tinham sido vítimas de tráfico de mulheres" e que o homicida se entregou às autoridades.

  • Três mulheres encontradas mortas numa quinta em Tires

    País

    A Polícia Judiciária encontrou os corpos de três mulheres brasileiras que estavam desaparecidas desde fevereiro. Os inspetores da Unidade Nacional Contra o Terrorismo estão no local, em Tires. Duas das mulheres são irmãs, a terceira era uma amiga. Foram encontradas num tanque junto a um hotel de cães, nesta zona do concelho de Cascais.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.