sicnot

Perfil

País

Marcelo agradece "exemplo notável" dos madeirenses no combate aos incêndios

GREG\303\223RIO CUNHA

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, agradeceu o exemplo dos madeirenses no combate aos incêndios que fustigaram a Madeira na segunda semana de agosto.

"Deram um exemplo notável ao país. O país está grato por aquilo que foi feito, aqui, na Madeira, bem hajam", disse no jantar de solidariedade com as vítimas dos incêndios que fizeram três mortos, 233 desalojados.

Marcelo Rebelo de Sousa lembrou, no entanto, que a palavra seguinte "é esperança".

"Assim como estiveram todos e todas unidos naqueles dias e noites, é preciso continuarem solidários e unidos nas próximas semanas, nos próximos meses, nos próximos anos", sublinhou.

"Aquilo que o Presidente da República aqui veio dizer em nome de todos é que assim como todos os portugueses estiveram solidários no passado no momento de dor, estão solidários convosco no presente e no futuro, num momento de esperança. Portugal está convosco", vincou.

A ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, recordou o papel dos bombeiros "da Madeira e de Portugal que são também um exemplo máximo de solidariedade".

Manifestou também "um profundo agradecimento" aos serviços da Proteção Civil, à Cruz Vermelha, aos autarcas, as Forças Armadas e serviços de segurança.

O presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, disse contar "novamente" com o Presidente da República para ajudar os madeirenses.

O Presidente da República participou hoje, no Funchal, no jantar de solidariedade com os bombeiros, forças de segurança, militares, instituições de solidariedade social e voluntários anónimos que combateram os incêndios que fustigaram a Madeira na segunda semana de agosto.

O jantar, organizado por cinco instituições de solidariedade social nomeadamente a Cruz Vermelha Portuguesa, a Liga Contra o Cancro, a CRIAMAR, a Casa do Voluntariado e a Associação de Desenvolvimento Comunitário do Funchal Garo(u)ta do Calhau, teve a colaboração de vários hotéis e restaurantes da Madeira - Grupo Pestana, Enotel, Porto Bay, Savoy, Four Views, Reid´s e Estalagem da Encumeada - e registou a participação de 3.000 pessoas que pagaram 10 euros, incluindo o presidente da República.

A receita do evento, que regista também o apoio de 72 instituições de solidariedade da Madeira, reverterá para os desalojados dos incêndios designadamente para a aquisição de equipamento e eletrodomésticos.

"O jantar tem como objetivo homenagear toda a gente, dar alegria, diversão e solidariedade, ajudando os que mais necessitam. Queremos dar o passo em frente porque a vida continua", explicou à agência Lusa Ricardo Silva, responsável pela "Garo(u)ta do Calhau".

Marcelo Rebelo de Sousa dedicou o segundo dia na Região Autónoma da Madeira a temas como a aquicultura, os incêndios e a uma visita às ilhas Desertas.

Depois das centenas de pessoas que o receberam na Calheta na parte da manhã, no extremo oeste da Madeira, idêntico acolhimento repetiu-se à noite ao ser ovacionado, na Quinta Magnólia, no Funchal, pelas cerca de três mil pessoas que participaram no jantar solidário às vítimas dos incêndios que provocaram três mortos e deixaram 233 famílias sem casa.

O Governo Regional da Madeira avaliou em 157 milhões de euros as necessidades para fazer frente aos prejuízos causados pelos incêndios, informou na sexta-feira o secretário regional das Finanças e Administração Pública, Rui Gonçalves. O governante madeirense revelou também que 62,5 milhões de euros já têm financiamento garantido.

Esta é a terceira deslocação do Presidente da República à região autónoma em cinco meses e meio de mandato: na primeira esteve na Madeira e no Porto Santo, em junho, por ocasião do dia da região, e a segunda para uma visita de quatro horas para estar com a população imediatamente após incêndios.

Lusa

  • Marcelo tornou-se o primeiro Presidente a visitar as Ilhas Desertas
    2:07

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa tornou-se esta segunda-feira no primeiro Presidente da República a visitar as Ilhas Desertas, ao largo do Funchal. O Presidente defendeu que Portugal tem de continuar a insistir e melhorar a proposta de extensão da plataforma continental. Marcelo visita esta terça-feira as Ilhas Selvagens.

  • "Claramente que há mandantes e que foi uma operação organizada"
    4:14

    Crise no Sporting

    Os 23 detidos por suspeitas de terem participado no ataque à Academia de Alcochete ficaram em prisão preventiva. Miguel Sousa Tavares considera que a decisão "é mais para ser exemplar". O comentador da SIC acredita que há mandantes e que esta foi uma "operação organizada". Sousa Tavares diz ainda que os "políticos não têm coragem para impor as leis" e que em Portugal "brinca-se com a lei".

    Miguel Sousa Tavares

  • "Sempre nos disseram que bastava o Aves ganhar para estar na Liga Europa"
    0:34

    Desporto

    O Presidente da SAD do Desportivo das Aves garante que não houve esquecimento ou atraso na inscrição do clube na Liga Europa. Luiz Andrade afirma que sempre lhe disseram que bastava vencer a Taça de Portugal para marcar presença na competição e que ainda não sabe se o clube pode ou não jogar a fase de grupos da competição europeia.

  • "Fui violada por Harvey Weinstein aqui em Cannes"
    1:02

    Cultura

    A cerimónia de encerramento do Festival de Cinema de Cannes ficou ainda marcada pelo discurso de Asia Argento. A atriz italiana que acusou Harvey Weinstein de a ter violado justamente numa das edições do festival de Cannes, e que há mais abusadores à solta.

  • As primeiras imagens das quatro crias da lince Malva
    0:20
  • Exército sírio declara Damasco "totalmente segura"

    Mundo

    O exército sírio proclamou esta segunda-feira a capital Damasco e também os arredores, como locais "totalmente seguros". O anúncio foi feito em clima de festa, depois de os militares terem reconquistado os bairros do sul da cidade, até agora nas mãos do Daesh.

  • Jovem britânico em fuga é detido depois de responder à polícia no Facebook

    Mundo

    Através do Facebook, a polícia de West Yorkshire mostrou-se preocupada perante o desaparecimento de um jovem de 21 anos e pediu por informações que pudessem leva-los a descobrir Leon Smith. Contudo, o que não deveriam estar à espera, era que o próprio desaparecido respondesse na rede social e que desafiasse a polícia a "fazer o seu trabalho". As autoridades acabaram por localizar o jovem no mesmo dia.

    SIC