sicnot

Perfil

País

MP confirma buscas e apreensão em centro de vistos de Cabo Verde

O Ministério Público confirmou hoje a realização de uma "diligência de busca e apreensão" no Centro Comum de Vistos de Cabo Verde, onde são investigadas suspeitas da prática de crimes de corrupção passiva e auxílio à emigração ilegal.

A edição de hoje do jornal Público avança que Portugal poderá ser a porta de entrada ilegal para cidadãos que depois seguem para outros países da União Europeia, através de um alegado esquema de emissão fraudulenta de vistos de entrada por parte do Centro Comum de Vistos de Cabo Verde.

À agência Lusa, fonte da Procuradoria-Geral da República confirmou a realização, em julho, de uma diligência de busca e apreensão no Centro Comum de Vistos de Cabo Verde, no âmbito de um processo dirigido pelo Ministério Público e em investigação no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP).

Na diligência, que decorreu com conhecimento das autoridades judiciárias de Cabo Verde, participaram um juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal, um magistrado do Ministério Público do DCIAP e três inspetores da Polícia Judiciária.

De acordo com a mesma fonte, foram realizadas ainda buscas domiciliárias na mesma altura, "em cumprimento de uma carta rogatória e ao abrigo da cooperação judiciária internacional".

Segundo a PGR, o inquérito "não tem arguidos constituídos" e encontra-se "em segredo de justiça".

A primeira notícia sobre o assunto foi avançada, segundo o Público, a 02 de agosto pelo semanário cabo-verdiano A Semana e retomada na segunda-feira pelo jornal diário A Nação.

A imprensa cabo-verdiana refere um alegado "esquema de emissão fraudulenta de vistos de entrada em Portugal" que servirá "uma suposta rede de tráfico de pessoas para a União Europeia a partir de Cabo Verde".

Os jornais revelam o "suplício" que os cidadãos cabo-verdianos passam para obter vistos, chegando a aceitar pagar "milhares de escudos" para obter os documentos, ainda que de forma ilegal.

Ao criarem dificuldades ou negarem vistos, os funcionários empurram os cidadãos para as mãos da rede criminosa que terá surgido de uma suposta colaboração entre funcionários da embaixada portuguesa e do Centro Comum de Vistos, segundo conta o Público de hoje.

Lusa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espirito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espirito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo e 1/4 acredita que SIDA transmite-se pelos talheres
    1:42
  • Dissonâncias entre EUA e Europa "podem ser ultrapassadas"
    1:04

    Mundo

    O ministro dos Negócios Estrangeiros reconhece que há sinais manifestos de dissonância na política externa da Europa e dos Estados Unidos da América. No dia em que Donald Trump completa um ano na Casa Branca, Augusto Santos Silva diz que acredita, no entanto, que essas divergências podem ser ultrapassadas.

  • Há mais um suspeito do massacre de Las Vegas 
    0:27

    Mundo

    Em outubro passado, Stephen Paddock abriu fogo sobre os espetadores de um concerto de música country, em Las Vegas, matando 58 pessoas e ferindo quase 500, no mais sangrento tiroteio da história norte-americana recente. A novidade é que a polícia federal dos EUA abriu uma investigação sobre um segundo suspeito no tiroteio. A Polícia Metropolitana disse que não há ainda um motivo para o tiroteio mas aponta como uma das possíveis razões o facto de Stephen Paddock ter perdido uma grande quantia de dinheiro. Os investigadores descobriram ainda que o atirador possuía pornografia infantil no seu computador.