sicnot

Perfil

País

Tribunal confirma morte do rapaz agredido em Gondomar

O adolescente de 14 anos agredido sábado à noite por um outro jovem de 16 anos, em Baguim do Monte, Gondomar, morreu na noite de segunda-feira, no Hospital de S. João do Porto, informou fonte judicial.

A morte do jovem foi hoje confirmada pelo Tribunal de Instrução Criminal (TIC) do Porto onde o suspeito da agressão será ouvido ao início da tarde.

A confirmação da morte do rapaz foi dada pelo tribunal com base em informações do Hospital de São João que constam dos autos.

O suspeito, que passou a noite nas celas da Polícia Judiciária (PJ), encontra-se desde manhã no TIC para primeiro interrogatório judicial por suspeita de um crime de homicídio na forma tentada, acusação que agora poderá ser alterada dada a morte da vítima.

A morte do jovem já tinha sido anunciada nas redes sociais por familiares, mas até ao momento o Hospital de São João escusou-se a dar qualquer esclarecimento sobre o caso.

De acordo com as autoridades policiais, os incidentes terão ocorrido entre as 22:00 e as 23:00 de sábado, na Rua Padre Domingues Baião, protagonizados por um indivíduo que, de acordo com testemunhas, já andava a perseguir a vítima "há algum tempo".

O rapaz foi transportado com vida para o Hospital de S. João, no Porto, onde acabou por morrer, na sequência das agressões com uma soqueira.

O agressor entregou-se domingo numa esquadra da PSP, tendo sido depois entregue à Polícia Judiciária que tomou conta do caso.

Em comunicado divulgado segunda-feira, a PJ esclarece que o alegado agressor terá atingido "violentamente a vítima na cabeça, tendo aquela caído inanimada no solo, sendo de imediato transportada para o hospital".

Domingo de manhã, o oficial de dia do Comando Metropolitano da PSP do Porto disse à Lusa que o jovem tinha sido transportado com vida para o Hospital de São João, e que foi dado como morto algumas horas mais tarde, informação que foi posteriormente corrigida.

A PSP divulgou segunda-feira que a informação por si transmitida domingo sobre a alegada morte do jovem em Gondomar foi obtida junto de "fonte não oficial" do Hospital de São João.

Em comunicado, a direção nacional da PSP refere que "no seguimento das agressões ocorridas na passada noite de sábado, de que foi vitima o jovem de 14, no concelho de Gondomar, foi veiculada informação, tendo por fonte a PSP, de que este teria falecido, em consequência destas agressões".

"Tal informação, originada por fonte não oficial, junto do estabelecimento hospitalar, veio comprovar-se não corresponder à realidade", acrescenta.

Lusa

  • Família anuncia morte de jovem agredido em Gondomar

    País

    A família do jovem de 14 anos agredido violentamente em Baguim do Monte, em Gondomar, no passado sábado, anunciou nas redes sociais que Hugo Gonçalo acabou por morrer. A SIC não conseguiu até ao momento confirmar junto do Hospital de São João esta informação. A confirmar-se a notícia da morte, o agressor, que será presente esta terça-feira ao juiz de instrução criminal, será ouvido como suspeito do crime de homicídio.

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.