sicnot

Perfil

País

Assunção Cristas diz que crescimento económico é anémico

Lusa

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, defendeu que os dados revelados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) expressam um crescimento económico anémico face ao necessário para o país e ao prometido pelo Governo.

"Estes números são uma pequenina correção, mas não nos tiram de um crescimento muito anémico para aquilo que seria necessário e para aquilo que foi prometido por este mesmo Governo", disse Assunção Cristas aos jornalistas, após uma visita ao Centro Social e Paroquial de Arroios, em Lisboa.

A economia portuguesa cresceu 0,9% no segundo trimestre face ao período homólogo e 0,3% em relação ao trimestre anterior, segundo o INE, que reviu em alta em 0,1% cada um dos valores.

"É irrelevante. O primeiro trimestre foi 0,9%, o segundo trimestre é 0,9% também. Lembro que no ano passado, no mesmo período, estávamos a crescer 1,5%", declarou Cristas.

A líder centrista reiterou a crítica segundo a qual "o grande problema deste Governo é não ter política económica eficaz, não conseguir gerar a confiança necessária para haver investimento, para haver criação de riqueza, para haver criação de emprego, para aumentarem as exportações".

Lusa

  • "Joguem à bola"
    1:35

    Desporto

    Cerca de uma centena de adeptos do Sporting esperaram até perto das 3:00 pela chegada da equipa ao estádio de Alvalade. Depois da eliminação da Taça de Portugal, em Chaves, foi necessário o reforço policial para garantir a segurança da comitiva leonina.

  • Acordo de concertação social assinado por todos os parceiros

    Economia

    Está assinado o acordo da Concertação Social que estipula a descida da TSU para as empresas como contrapartida do aumento do salário mínimo. Ao contrário do que é habitual, o momento não foi assinalado na sede do Conselho Económico e Social (CES), mas as assinaturas foram dvulgadas no Twitter.

  • Oposição diz que défice abaixo dos 2,3% se deve ao aumento de impostos
    2:24

    Economia

    O défice de 2016 vai ficar abaixo dos 2,3%, uma garantia dada pelo primeiro-ministro durante o debate quinzenal desta terça-feira. A oposição diz que o resultado é bom para o país mas que se deve a um aumento de impostos, feito pelo Governo no ano passado, e ao trabalho do PSD e do CDS nos anos anteriores.