sicnot

Perfil

País

PCP reúne milhares no Avante já de olho no orçamento e pés em novos terrenos

Milhares de pessoas vão reunir-se pela 40.ª vez na "Festa do Avante!", este fim de semana, num recinto aumentado para o evento do PCP, partido que quer "levar até às últimas consequências" o acordo com o PS.

"Ainda não temos uma proposta de orçamento (2017), mas iremos defender as medidas acordadas na posição conjunta assinada com o PS, que é para levar até às últimas consequências. Algumas foram obtidas, embora parcialmente, em 2016", disse o dirigente do PCP Carlos Gonçalves à Lusa, frisando que o partido "não tem 'rentrée' política como os outros" porque "nunca deixa de lutar".

O membro da comissão política do comité central comunista relembrou "alguns aspetos que não foram aceites e implementados pelo Governo do PS", os quais voltarão a estar em foco, e destacou que tem de haver "outra atitude em termos de investimento público", além da continuação da "recuperação de direitos e rendimentos dos trabalhadores e do povo".

O aumento do salário mínimo nacional para 600 euros até final de 2017, o aumento das pensões de reforma, o descongelamento da progressão nas carreiras da administração pública, o apoio à criação cultural, combate à precariedade e melhoria da legislação laboral foram vários dos exemplos dados por Carlos Gonçalves.

"Há que retirar as devidas conclusões do novo quadro político que permitiu romper com a política de direita, declínio e retrocesso. Houve muitos aspetos positivos, mas também muitas matérias pelas quais é preciso continuar a lutar, num momento político complexo por todo o quadro de chantagens e imposições externas e perigo de submissão a interesses internacionais. A breve história deste Governo (PS) prova que é possível outro caminho", destacou.

Outros caminhos vão encontrar este ano os participantes na festa. Há mais um terço de terreno (seis hectares), adquirido em 2014 por 950 mil euros e cuja campanha de angariação de fundos rendeu 1,2 milhões de euros ao PCP. Após trabalhos de requalificação, totalizam-se mais de 200.000 m2, quase o dobro da área do centro comercial Colombo.

"Todas são importantes, mas esta é muito, são 40 anos, com novas condições. Estamos confiantes numa festa muito participada e interventiva. É um conjunto de iniciativas de grande importância para lá dos espetáculos e do convívio - 10 palcos, 120 artistas ou conjuntos", descreveu Carlos Gonçalves.

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, fará um primeiro discurso para declarar aberto o evento, pelas 19:00 de sexta-feira, e tem a intervenção de fundo marcada para o grande comício de encerramento, domingo, cerca das 18:30.

Entre as várias ações políticas, de artes plásticas, literárias, do teatro, do cinema e do desporto, vão organizar-se debates na tarde de sábado no denominado "espaço central", nomeadamente sobre "nova fase da vida política nacional e luta pela alternativa patriótica e de esquerda", com o líder parlamentar comunista, João Oliveira e outros responsáveis como Jorge Cordeiro.

Antes, já se terá defendido o "controlo público da banca como condição de soberania" e, mais tarde, a temática incidirá sobre "rejeitar a submissão à União Europeia e ao euro", com a presença de Jorge Pires, os deputados Miguel Tiago ou Paulo Sá ou o eurodeputado João Ferreira, entre outros.

Durante os três dias, os visitantes podem desfrutar da gastronomia de todo o país e estrangeiro nos diversos restaurantes e quiosques montados desde junho pelos militantes comunistas, e das atuações de Xutos e Pontapés, com participação de Paulo de Carvalho, Sérgio Godinho e Jorge Palma, as fadistas Ana Moura, Aldina Duarte, Cristina Branco e Katia Guerreiro, a banda Diabo na Cruz, além de Marta Ren, Carlão, Sam the kid ou Peste e Sida, entre muitos outros.

Na vertente "internacionalista", estão previstos "momentos de solidariedade" e troca de ideias com numerosos representantes de outros partidos ou movimentos: Cuba, Brasil, Palestina, Colômbia, Saara Ocidental, Ucrânia, Índia, Rússia, Chile, Irão, África do Sul ou Líbano.

Lusa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espirito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espirito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo e 1/4 acredita que SIDA transmite-se pelos talheres
    1:42
  • Há mais um suspeito do massacre de Las Vegas 
    0:27

    Mundo

    Em outubro passado, Stephen Paddock abriu fogo sobre os espetadores de um concerto de música country, em Las Vegas, matando 58 pessoas e ferindo quase 500, no mais sangrento tiroteio da história norte-americana recente. A novidade é que a polícia federal dos EUA abriu uma investigação sobre um segundo suspeito no tiroteio. A Polícia Metropolitana disse que não há ainda um motivo para o tiroteio mas aponta como uma das possíveis razões o facto de Stephen Paddock ter perdido uma grande quantia de dinheiro. Os investigadores descobriram ainda que o atirador possuía pornografia infantil no seu computador.