sicnot

Perfil

País

Mazda analisa vários modelos em Portugal com defeito na bagageira

Reuters

A representante da Mazda em Portugal, a Mazda Motor Corporation, está a analisar vários modelos que podem estar afetados por um defeito detetado ao nível do apoio do amortecedor da tampa da bagageira, informou à agência Lusa.

O fabricante japonês de automóveis Mazda anunciou hoje em Tóquio que está a chamar às oficinas mais de dois milhões de veículos em todo o mundo devido a um defeito na porta da bagageira de seis modelos da marca.

Esta chamada às oficinas abrange cerca de 400 mil veículos vendidos no Japão e 1,8 milhões de unidades exportadas para fora do país.

Segundo a Mazda Motor Corporation, do lote de unidades potencialmente afetadas, produção de dez 2007 a dez 2015, abrangendo 5 modelos, algumas poderão ter sido comercializadas em Portugal.

"Estamos ainda em processo de identificação do número de unidades potencialmente abrangidas, sendo que, a acontecer e à semelhança de casos similares, os proprietários dos veículos envolvidos serão contactados de imediato para a resolução da situação", disse a empresa.

Se o problema se confirmar "a marcação será feita em moldes a combinar entre o cliente Mazda e o Concessionário Mazda e obviamente que não terá qualquer custo para o cliente".

A Mazda detetou falhas na aplicação da pintura na porta da bagageira que pode levar à corrosão.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.