sicnot

Perfil

País

Gaston chega aos Açores já como tempestade tropical

De acordo com o Instituto do Mar e da Atmosfera, o período mais crítico está previsto para o grupo ocidental: as ilhas das Flores e do Corvo devem ser particularmente afetadas por volta das 18 horas locais, 19 horas em Lisboa.

A tempestade deve deslocar-se depois para leste, atingindo o grupo central quando já for meia-noite, uma da manhã no continente. Por essa hora, serão as ilhas Terceira, Graciosa, Faial, Pico e São Jorge a sentir os efeitos da passagem do Gaston.

O arquipélago está sob aviso laranja e são esperados ventos de mais de 100 km/h, acompanhados de chuvas fortes e de intensa agitação marítima. De acordo com o governo regional, até ao início da tarde, a Proteção Civil não tinha registado qualquer tipo de ocorrência relacionada com a situação.

O presidente do governo regional açoriano esteve reunido, ainda durante a manhã, com os responsáveis da Proteção Civil, que tem estado a fazer avisos e recomendações à população, de forma a minimizar a ocorrência de danos.

Depois dos grupos ocidental e central, a tempestade deverá diminuir de intensidade e passar a tempestade pós-tropical durante o dia de amanhã

O Gaston é o segundo furacão a atingir este ano os Açores, depois do Alex ter passado pelo arquipélago em janeiro.

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.