sicnot

Perfil

País

Antigo vereador diz que suspensão das obras da 2ª Circular tem razões eleitorais

Antigo vereador diz que suspensão das obras da 2ª Circular tem razões eleitorais

O antigo responsável pela mobilidade da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Nunes da Silva, considera que não é por haver indícios de um conflito de interesses que Fernando Medina decidiu suspender as obras na segunda circular. O ex-vereador do tempo de António Costa, acha que há motivos eleitorais.

  • "Querer transformar a 2ª circular numa alameda é uma coisa que não tem pés nem cabeça"
    2:56

    Miguel Sousa Tavares

    A Câmara de Lisboa anulou o concurso para a requalificação da 2ª circular e abriu um inquérito para averiguar a existência de eventuais "conflitos de interesses". Miguel Sousa Tavares diz que "querer transformar a 2ª circular numa alameda é uma coisa que não tem pés nem cabeça", e que neste momento "todos os automobilistas de Lisboa estão felizes". Um antigo vereador da Câmara de Lisboa diz que decisão de Fernando Medina foi motivada por interesses eleitorais.

  • Concurso para requalificação da 2ª Circular anulado por suspeita de "conflitos de interesses"
    1:56

    País

    A Câmara de Lisboa anulou o concurso para a requalificação da Segunda Circular e abriu um inquérito para averiguar a existência de eventuais "conflitos de interesses" por parte de um projetista, anunciou esta sexta-feira o presidente da autarquia. Medina indicou também que o caso apenas foi detetado "numa fase tardia" pois "o júri do concurso só agora emite o seu relatório de apreciação".

  • Trabalharia horas extra sem ser pago? E feriados?  
    1:25
  • UE dá "luz verde" para início das negociações do Brexit

    Brexit

    Os 27 Estados-membros da União Europeia aprovaram esta segunda-feira a autorização para o início das negociações do Brexit, indicando formalmente o final de junho para início do processo de saída do Reino Unido, que se prolongará por dois anos.

  • Donald Trump em Israel
    2:14
  • Regras secretas do Facebook permitem divulgação de imagens violentas

    Mundo

    A política interna da empresa Facebook defende que nem todos os vídeos violentos publicados na rede social devem ser apagados porque "não quer censurar ou punir pessoas em perigo". A revelação é feita pelo jornal britânico The Guardian após uma investigação em que conseguiu ter acesso ao manual interno.