sicnot

Perfil

País

Chamas em Boticas aproximaram-se de aldeia e há suspeita de fogo posto

O incêndio que está a queimar uma zona de pinhal em Boticas aproximou-se da aldeia de Torneiros e teve origem em quatro focos espalhados ao longo da estrada, disse o presidente da autarquia.

Fernando Queiroga afirmou à agência Lusa que os meios estão concentrados junto à aldeia de Torneiros para proteger pessoas e bens.

Para o local, segundo a página da internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil, foram mobilizados 167 operacionais, 47 viaturas e chegaram a atuar quatro meios aéreos.

O combate a este fogo, que deflagrou na freguesia de Codessoso, Curros e Fiães do Tâmega, foi reforçado com um grupo proveniente de Santarém.

Fernando Queiroga referiu que as chamas se aproximaram da aldeia de Torneiros, uma situação que, entretanto, foi resolvida, mas as atenções estão ainda concentradas nesta área porque, segundo o autarca, há outra frente a lavrar na zona.

O incêndio teve início às 16:17 junto à estrada que liga Boticas a Ribeira de Pena.

Segundo o autarca, foram detetados quatro focos de incêndio ao mesmo tempo, uma situação que o leva a não ter dúvidas de que se trata de uma situação "de fogo posto" e de "origem criminosa".

O fogo avança em três frentes e está a queimar uma zona de pinhal e de giestas, muita carga combustível que faz com que a propagação das chamas seja rápida.

Por volta das 20:00, estavam ativos 11 incêndios no distrito de Vila Real, que mobilizavam 329 operacionais e 97 viaturas.

Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão