sicnot

Perfil

País

Incêndio em Soure já consumiu mais de 500 hectares

O incêndio que deflagra no concelho de Soure, em Coimbra, repartiu-se em três frentes ativas e já consumiu "mais de 500 hectares", tendo já passado perto de habitações, informou à agência Lusa o presidente do município.

O presidente da Câmara de Soure, Mário Jorge Nunes, afirmou que o incêndio deflagrado ao início da tarde repartiu-se em três frentes ativas, numa diferença de "cinco quilómetros" entre as mesmas.

Neste momento, o incêndio "mantém-se a lavrar em zona de mato e olival", mas já esteve perto "de habitações", em Degracias, onde chegou a "entrar nos quintais e jardins".

No entanto, "não há registo de qualquer habitação afetada", apenas se tendo registado vários hectares de olival e de zonas de pastagem afetados pelas chamas, disse à Lusa o presidente da Câmara de Soure.

A grande preocupação dos bombeiros passa por "proteger a localidade de Degracias, que está circundada pelo fogo", sendo que foi montada "uma linha de água" para garantir que as chamas não se aproximam das habitações, sublinhou o autarca.

O incêndio continua a lavrar "com alguma intensidade", sendo que o vento é neste momento "o grande problema", referiu Mário Jorge Nunes, realçando que há expectativa de que, durante a noite, as chamas possam ser controladas.

O incêndio começou na freguesia de Tapéus e "subiu a serra de Degracias".

Segundo fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Coimbra, estão no terreno 305 operacionais e 93 viaturas de corporações dos distritos de Coimbra e de Leiria, continuando o incêndio "a progredir em locais de difícil acesso".

O incêndio chegou a ser apoiado por cinco meios aéreos, que foram retirados às 20:00, informou a mesma fonte.

Lusa

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15