sicnot

Perfil

País

Acessos e vento dificultam combate às chamas em Soure

A grande dificuldade nos acessos e o vento têm complicado o combate ao incêndio que começou na segunda-feira em Soure, distrito de Coimbra, e que mobiliza 504 operacionais, informou o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS).

PAULO NOVAIS

O incêndio em Soure, que começou na segunda-feira e que tinha sido dominado às 09:30 de hoje, voltou a estar novamente ativo ao início da tarde, na sequência de um reacendimento, avançando com duas frentes.

De acordo com a página da Autoridade Nacional da Proteção Civil, às 17:50 estavam no terreno 506 operacionais, apoiados por 165 veículos e cinco meios aéreos.

As chamas progridem em "terreno de difícil acesso", estando no limite entre Soure e Penela e aproximando-se também do concelho de Condeixa-a-Nova, disse à agência Lusa fonte do CDOS de Coimbra.

Até ao momento, não foi necessário proceder à evacuação de habitações, apesar de o incêndio já ter estado próximo das localidades de Cotas e Chanca, referiu a mesma fonte.

No terreno, estão presentes corporações dos distritos de Coimbra, Leiria, Aveiro, Viseu, Lisboa e Castelo Branco.

O incêndio em Soure, distrito de Coimbra, começou na freguesia de Tapéus, por volta das 15:30 de segunda-feira, e chegou a ter três frentes ativas.

Lusa

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11