sicnot

Perfil

País

CDS-PP e PSD querem ouvir ministra e presidente demissionário da Proteção Civil

O CDS-PP vai viabilizar o requerimento do PSD pedindo a audição no parlamento da ministra da Administração Interna (MAI) e do presidente demissionário da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) para explicarem os motivos da saída.

"Viabilizaremos o requerimento já anunciado pelo PSD para que a senhora ministra e o demissionário ou demitido (...) presidente da ANPC possa vir ao parlamento", declarou o líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, à agência Lusa.

O centrista sublinhou que o país vive ainda um "momento muito difícil" a nível de fogos florestais, com "bastantes incêndios ainda por resolver" e uma semana onde o calor se tem sentido particularmente.

O partido espera, nesse sentido, que a saída do presidente da Proteção Civil, hoje conhecida, não "venha a influenciar negativamente a capacidade de resposta" da entidade.

O presidente da ANPC demitiu-se do cargo na sequência do inquérito ao caso dos helicópteros Kamov, disse à agência Lusa fonte do ministério da Administração Interna.

A ministra Constança Urbano de Sousa disse já que seguiram para o Ministério Público (MP) os resultados do inquérito sobre a gestão dos meios aéreos, que incluiu os helicópteros Kamov.

"Está a decorrer também um processo judicial no Ministério Público. Achamos por bem também enviar alguns resultados do inquérito para o MP", afirmou a governante em declarações aos jornalistas na ANPC.

Segundo a fonte do MAI contactada pela Lusa, Francisco Grave Pereira apresentou na segunda-feira à ministra da Administração Interna o pedido de demissão, que foi aceite.

A demissão está relacionada com o inquérito que no verão do ano passado a então ministra Anabela Rodrigues determinou à Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) que abrisse para averiguar os problemas com os Kamov.

A abertura do inquérito surgiu após a ANPC ter detetado problemas "graves no estado das aeronaves", que ditaram a impossibilidade de os helicópteros estarem em plena condição de serem operados, durante o processo de transferência dos Kamov para a empresa que ganhou o concurso público de operação e manutenção dos aparelhos para os próximos quatro anos.

O PSD anunciou esta manhã que pretende ouvir no parlamento a ministra da Administração Interna e o presidente demissionário da Proteção Civil para explicarem a situação e garantirem que o combate aos incêndios não vai ser prejudicado.

"O PSD considera que a ministra da Administração Interna e o presidente demissionário da ANPC têm que rapidamente dar justificações acerca deste facto. Vamos hoje mesmo apresentar um requerimento com caráter de urgência na Comissão de Assuntos Constitucionais, Liberdades e Garantias para os podermos ouvir acerca da demissão e sobre o que a senhora ministra está a preparar-se para fazer para acautelar o combate aos incêndios", sublinhou à Lusa Hugo Soares, vice-presidente da bancada social-democrata.

Lusa

  • Rui Vitória não espera facilidades frente ao Tondela
    1:34

    Desporto

    O líder do campeonato, o Benfica, recebe este domingo o último classificado, o Tondela. Na conferência de antevisão do encontro, Rui Vitória afirmou que não espera facilidades. O treinador do Benfica falou ainda de Sebastian Coates.

  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.