sicnot

Perfil

País

Diretores querem calendário escolar com dois semestres

Mais de metade dos diretores dos agrupamentos escolares (54,1%) concorda que o calendário escolar passe para apenas dois semestres, em vez dos habituais três períodos letivos. Os dados são de um inquérito sobre sobre "O que pensam os diretores e os presidentes de Conselhos Gerais sobre questões pertinentes da escola portuguesa".

Dos presidentes de Conselhos Gerais inquiridos apenas 32,8% concorda com essa opção de dois semestres, mas, no entanto, uma considerável quantidade de presidentes inquiridos (41,2%) defende a necessidade de uma "revisão do calendário escolar".

Os três períodos letivos que existem atualmente são "desiguais na sua duração", sendo os dois primeiros quase semelhantes e o terceiro demasiado curto, explicou à Lusa Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), referindo que o feriado da Páscoa, que, por ser móvel, representa um "grande constrangimento" da atual situação.

"Todos os professores se queixam da pequenez do terceiro período letivo, que não dá para nada, a par dos feriados e da realização dos exames do 4.º e 6.º anos em tempo letivo, encurtando-o ainda mais", conta Filinto Lima, reconhecendo que a proposta passa pela criação de dois períodos letivos, semestrais, com o mesmo número de dias e dois momentos de avaliação".

Para o presidente da ADAEP, devem, todavia, manter-se as pausas do Natal, Carnaval e Páscoa.

"Muitos alunos, sabendo que não têm tempo para recuperar no último período, abandonam a escola ou comportam-se de forma leviana, perturbando as escolas e o seu ambiente", lamenta ainda o professor Filinto Lima, reiterando que os períodos letivos escolares devem ser "equilibrados, com o mesmo número de dias, e, por isso, defende "períodos semestrais".

O presidente da ADAEP defende uma "discussão alargada" e com "tempo para pensar na semestralidade", mas é defensor dos dois períodos de avaliação, à semelhança do que acontece nas universidades.

A maioria dos diretores de agrupamentos escolares (89,0%) e presidentes de Conselhos Gerais (86,3%) rejeita o atual processo de municipalização escolar, revela também o mesmo inquérito, da autoria do docente Alexandre Henriques.

O modelo de gestão, a municipalização escolar, a autonomia escolar e o calendário escolar, são questões "muito importantes" e o estudo mostra que os principais membros da comunidade escolar - diretores de agrupamentos e presidentes de Conselhos Gerais -- "não estão de acordo com o rumo que está a ser seguido", lê-se na conclusão do inquérito.

Outra das conclusões do estudo revela que os resultados escolares e as questões disciplinares continuam a ser o "principal motivo de preocupação de diretores de e presidentes, com as questões disciplinares a surgirem no "topo das preocupações".

Os dados revelam também que apenas 8,3% de diretores e presidentes de Conselhos Gerais sentem o seu trabalho "reconhecido" e ou "valorizado" pelo Ministério da Educação, valores que "deviam envergonhar e fazer refletir profundamente os visados", refere o autor do estudo, Alexandre Henriques.

O inquérito foi realizado em julho deste ano através da plataforma de formulários Google, um universo de 312 diretores e presidentes de escolas.

Lusa

  • Deputado do PS abandona partido e pode colocar em causa maioria parlamentar
    2:28

    País

    Domingos Pereira foi eleito pelo círculo de Braga. Agora, vai demitir-se do Partido Socialista e entregar o cartão de militante. Contudo, mantém-se no Parlamento, passando assim a deputado independente na Assembleia da República. Pode estar em causa a maioria parlamentar quando o PCP se abstiver.

    Notícia SIC

  • Pedro Dias recusou mostrar caligrafia
    2:29

    País

    Pedro Dias forneceu esta segunda-feira ADN aos peritos do laboratório da polícia científica. O suspeito dos crimes de Aguiar da Beira também foi intimado a entregar amostras da própria caligrafia, mas recusou fazê-lo.

  • Autoridades italianas prosseguem buscas por desaparecidos em avalancha
    0:54
  • "O México não acredita em muros"
    0:45

    Mundo

    Em resposta a Donald Trump, o Presidente mexicano diz que o país não acredita em muros, mas em pontes. Enrique Peña Nieto diz ainda que o México vai procurar dialogar com os Estados Unidos sem confrontos, mas também sem submissão.

  • Carolina do Mónaco celebra o 60.º aniversário
    2:13

    Mundo

    Carolina do Mónaco celebra esta segunda-feira o 60.º aniversário. Em 60 anos, foi criança mediática, jovem rebelde e, agora, matriarca sem ser rainha. Carolina do Mónaco nunca saiu das revistas, por ser filha de Grace Kelly e Rainier do Mónaco, por ter somado namorados pouco recomendáveis para princesas, por ter perdido o pai dos seus filhos num terrível acidente.

  • Ator morre baleado durante gravações de videoclip na Austrália

    Mundo

    Um ator morreu depois de ter sido baleado durante as gravações de um videoclip da banda Bliss n Eso, na cidade australiana de Brisbane. A vítima foi identificada como Johann Ofner, de 28 anos. O homem chegou a receber a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.