sicnot

Perfil

País

Enfermeiros entregam abaixo-assinado no S. José a exigir mais profissionais

Os enfermeiros entregam hoje no Hospital de S. José um abaixo-assinado com centenas de assinaturas, exigindo a admissão de enfermeiros suficientes para evitar o encerramento de camas e turnos incompletos como está a acontecer, anunciou o sindicato.

De acordo com o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), a carência destes profissionais no Centro Hospitalar Lisboa Central (CHLC) "está a provocar o caos em vários serviços", sendo disso exemplo os cerca de 100 turnos que ficaram por preencher em agosto no Hospital de S. José, bem como as mil horas extraordinárias acumuladas na unidade de neurocirurgia e cerca de 2.000 na enfermaria da neurocirurgia.

Na Maternidade Alfredo da Costa houve a necessidade de encerrar temporariamente duas camas dos intensivos da neonatologia e quatro das intermédias, e o serviço de urgência de obstetrícia e ginecologia está a funcionar com menos cinco enfermeiros por turno, o que se situa abaixo das recomendações mínimas estipuladas pela Ordem dos Enfermeiros.

No Hospital D. Estefânia foram temporariamente reduzidas duas camas na neonatologia.

Esta situação levou a que os enfermeiros do CHLC reunissem centenas de assinaturas num abaixo-assinado a ser entregue no Hospital S. José, com as exigências da admissão de mais enfermeiros e de dotações seguras, que permitam a prestação de cuidados aos utentes com qualidade e segurança.

"É urgente a contratação de mais enfermeiros para os seis hospitais que compõem o CHLC", afirma o SEP, acrescentando que "a falta de profissionais há muito é denunciada e combatida" pelo sindicato e pelos daquela instituição.

Lusa

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15