sicnot

Perfil

País

Reitores dizem que praxes só acabam quando estudantes perceberem que não fazem sentido

O presidente do conselho de reitores está "genericamente de acordo" com a posição do ministro do Ensino Superior, contra as praxes, e defendeu que os "comportamentos inadequados" só terão fim "quando os estudantes perceberem que não fazem sentido".

"Penso que não há justificação possível, seja em nome da integração, seja em nome de qualquer outra coisa, para atos de humilhação e de prepotência de estudantes sobre outros. É algo que não faz sentido na nossa universidade", disse à agência Lusa o presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP), e reitor da Universidade do Minho, António Cunha.

Para o reitor, o fundamental é "garantir que nenhum estudante é obrigado a fazer aquilo que não quer", e que a universidade aja em conformidade sempre que os limites sejam ultrapassados.

António Cunha afirmou ter um "grande alinhamento com a posição do ministro" Manuel Heitor, que escreveu a todos os reitores de universidades, presidentes de politécnicos, dirigentes estudantis e dirigentes de unidades de investigação -- tal como tinha prometido fazer, na última audição parlamentar antes da paragem dos deputados para férias --, pedindo a colaboração de instituições e estudantes para que "a humilhação não seja uma tradição académica".

Perante os deputados, o ministro chegou mesmo a classificar as praxes académicas como "uma prática fascizante", e recordou na carta recentemente enviada que "o ingresso no ensino superior tem sido sistematicamente marcado por práticas contrárias aos ideais de liberdade, crítica e emancipação dos jovens".

"As manifestações de abuso, humilhação e subserviência a que assistimos na praxe académica, sejam no espaço público ou dentro das instituições, afetam a credibilidade do ensino superior e conflituam com a missão e o propósito daqueles que o frequentam. A eventual valorização de 'tradições académicas', mesmo quando existentes, não pode legitimar que se humilhe e desvalorize a autoestima dos mais novos. Neste contexto, não posso aceitar mais uma vez o ciclo repetitivo de imagens degradantes que nos envergonham", lê-se na missiva, tornada pública pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, numa carta aberta publicada pelo semanário Expresso.

O ministro apela a que estas práticas sejam "combatidas por todos", mas, "muito especialmente, por todos os responsáveis estudantis".

Pelo lado dos reitores, António Cunha referiu que a universidade não reconhece "grupos ad hoc" de estudantes, não integrados nos estatutos e regulamentos das instituições, como as comissões de praxe.

O ministro apelou a alternativas de acolhimento, que incluam a cultura e a ciência, tendo autorizado a Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) a apoiar financeiramente ações para os novos estudantes, desenvolvidas por unidades de investigação em parceria com as associações de estudantes, num limite de custos de até 5% dos seus orçamentos plurianuais.

"O acolhimento dos novos estudantes no contexto das unidades de investigação alarga o seu conhecimento sobre a instituição, potencia os momentos de partilha com outros estudantes e investigadores, estimula o sentido de curiosidade científica e promove um maior entrosamento futuro com os objetivos de aprender, apreender e empreender", refere o documento.

Também os politécnicos se declaram em sintonia com a posição de Manuel Heitor, e com as preocupações manifestadas na carta, mas o Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP) lembra que as atividades sugeridas pela tutela são já prática corrente nas instituições.

Ainda assim, os politécnicos afirmam que "registam o pedido" do ministro e que "a este propósito e irão, dentro da sua autonomia, reforçar as ações que contribuam para uma melhor integração dos novos estudantes nas instituições".

Lusa

  • Pedrógão e o Governo das culpas dos outros

    Opinião

    Depois das revelações do ‘Expresso’ e do ‘i’, o primeiro-ministro e os ministros saíram à rua com uma estratégia muito bem definida: desmentir a existência de listas secretas e centrar as atenções no Ministério Público. Ao mesmo tempo, nas redes sociais, está em curso (mais) uma campanha contra os jornalistas. Os anónimos, com cartão de militante, que escrevem nessas páginas acusam os jornais das “mais rebuscadas teorias da conspiração”. Nada de novo portanto.

    Bernardo Ferrão

  • "A verdadeira questão são as imagens com que abrimos o Jornal, é um país que está a arder"
    2:52

    Opinião

    A polémica em torno do número de vítimas da tragédia de Pedrógão Grande esteve em análise no Jornal da Noite. Miguel Sousa Tavares diz não compreender "que se faça disto uma questão política" e reitera que o foco deve centrar-se nas imagens de "um país que está a arder". O comentador SIC afirma ainda que "64 mortos num incêndio é um escândalo, um número absurdo".

    Miguel Sousa Tavares

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • Quase mil bombeiros combatem chamas na Sertã
    1:37

    País

    O incêndio que deflagrou no domingo, na Sertã, concelho de Castelo Branco, ainda não foi extinto. Perto de mil homens combatem as chamas no terreno, apoiados por 10 meios aéreos. O fogo tem frentes em Mação e Proença-a-Nova.

  • Proteção Civil acusada de gestão errática no incêndio de Mação
    1:26

    País

    O comandante dos Bombeiros de Constância e o vice-Presidente da Liga dos Bombeiros acusam a Proteção Civil de desviar meios do fogo de Mação, em Santarém, que eram essenciais para travar o incêndio. As chamas desceram da Sertã e acabaram por queimar uma casa de habitação.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.