sicnot

Perfil

País

Várias viagens fluviais entre o Barreiro e Lisboa suprimidas até sexta-feira

A ligação fluvial entre o Barreiro e o Terreiro do Paço, em Lisboa, está condicionada entre esta terça e sexta-feira, com o Sindicato dos Trabalhadores Fluviais a referir que as supressões de viagens se devem à falta de trabalhadores.

No portal Transportes de Lisboa, que reúne a informação sobre os transportes urbanos na região, foram anunciadas várias supressões ao longo dos quatro dias, apenas no período da manhã e nos dois sentidos.

A ligação entre o Barreiro e Lisboa é assegurada pela Soflusa.

O Sindicato dos Trabalhadores Fluviais Costeiros e da Marinha Mercante referiu entretanto, em comunicado, que na origem das supressões anunciadas está a "falta de trabalhadores para preencher as vagas deixadas em aberto por rescisões impostas pelo anterior conselho de administração".

"Este último trimestre, com a entrada dos períodos de férias, veio destacar mais ainda toda esta situação. Ao fim destes meses, o problema tem sido compensado com um enorme volume de trabalho extraordinário que começou agora a trazer os seus problemas de saúde e cansaço aos trabalhadores da empresa, esgotados com todo este esforço físico e mental", refere a nota.

O sindicato acrescenta que nas reuniões com a empresa a questão da admissão de novos trabalhadores tem sido sempre colocado, mas a resposta é que "os orçamentos não o permitem e o ministro das Finanças não autoriza".

"Com o novo Governo continuamos com o mesmo problema do não investimento na contratação e com o tempo será a renovação das frotas posta em causa. Esta situação não é exclusiva da Soflusa, a Transtejo também sofre com todos estes impedimentos. O futuro de um transporte fluvial condigno, confortável e em segurança entre as duas margens do rio Tejo está em perigo", refere o sindicato.

No site da Transportes de Lisboa não é indicado qualquer motivo para a supressão de viagens.

Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14