sicnot

Perfil

País

Agentes da PSP agredidos no Vale da Amoreira estavam à civil

Os elementos da PSP agredidos esta quarta-feira quando tentavam identificar um homem no Vale da Amoreira, na Moita, que acabou por ser morto a tiro, "seguiam à civil e numa viatura descaracterizada", disse à Lusa fonte policial.

"Os dois elementos da PSP, que costumam fazer notificações e pertencem à Esquadra de Investigação Criminal do Barreiro, seguiam à civil numa viatura descaraterizada. Ao verem o indivíduo na rua, que seguia a pé, suspeitaram que tinha um mandado de detenção", disse à Lusa a comissária Maria do Céu, do comando da PSP de Setúbal.

Segundo a mesma fonte, os agentes da PSP identificaram-se perante o homem, mas já não conseguirem identificá-lo.

"Os agentes nem o chegaram a identificar. Sem que nada o fizesse prever, o indivíduo agrediu os agentes com um machado e uma faca. O agente da PSP foi obrigado a disparar em legítima defesa", acrescentou.

O homem, de 51 anos, natural da Guiné, acabou por morrer no local, enquanto os agentes da PSP, de 50 e 47 anos, foram transportados para o hospital do Barreiro.

"Um agente sofreu ferimentos com um machado e uma faca na zona do peito, perto do pescoço. Está internado no hospital, mas não corre risco de vida. O outro elemento da PSP sofreu apenas um corte ligeiro no braço, conseguiu escapar", salientou.

A Polícia Judiciária esteve no local a investigar e já ouviu o agente que sofreu apenas um corte no braço, que se encontra "muito abalado" com a ocorrência.

O alerta para o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Setúbal foi dado às 10:44, para o caso que ocorreu na Avenida Almada Negreiros, no Vale da Amoreira, concelho da Moita.

Segundo a mesma fonte, estiveram no local 39 operacionais e 10 veículos da PSP, GNR, dos bombeiros da Moita, do Sul e Sueste e Salvação Pública, do Barreiro.

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.