sicnot

Perfil

País

Fogos em Vila Real, Bragança e Faro são os que mobilizam mais meios

Os fogos em Vila Pouca de Aguiar, Freixo de Espada à Cinta e Monchique eram os que, ao início da madrugada desta quarta-feira, mobilizavam mais operacionais e meios terrestres, segundo a página da Autoridade Nacional da Proteção Civil.

Em Vila Pouca de Aguiar (distrito de Vila Real), um incêndio com início às 10:48 de segunda-feira na localidade do Soutelinho do Mezio, permanece com uma frente ativa e está a ser combatido por 156 operacionais, apoiados por 46 meios terrestres.

Em Freixo de Espada à Cinta (distrito de Bragança) continuam envolvidos no combate ao fogo, na localidade de Fornos, 216 operacionais, apoiados por 81 meios terrestres. O incêndio, com quatro frentes ativas, teve início na terça-feira às 11:17, esteve em resolução e hoje reativou-se cerca de 14:36.

No distrito de Faro, em Monchique, também houve reativação ao início da noite do incêndio na localidade de Fóia. No combate ao incêndio, que permanece com uma frente ativa, participam 201 operacionais, apoiados por 66 meios terrestres.

Além daqueles três incêndios, a Proteção Civil destaca também na sua página na Internet incêndios em Viseu e na Guarda.

Em Viseu, na localidade de Povoação, um fogo com início às 16:29 de quarta-feira, que permanece com uma frente ativa, está a ser combatido por 87 operacionais, apoiados por 24 meios terrestres.

Na Guarda, 115 operacionais, apoiados por 33 meios terrestres, combatem um incêndio, com uma frente ativa, na localidade de Corujeira. O fogo teve início às 13:34 de quarta-feira.

Segundo a Proteção Civil, às 00:22, registavam-se em Portugal continental 79 incêndios, que estão a ser combatidos por 2.736 operacionais, apoiados por 845 meios terrestres.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "Meninas proibidas de usar saias curtas e roupa transparente" para evitar abusos em Timor
    0:50
  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43