sicnot

Perfil

País

Número de crianças de 4 anos sem lugar no pré-escolar é residual

A dias de arrancar o próximo ano letivo, o Ministério da Educação garantiu que o número de crianças de quatro anos que ainda não encontrou lugar numa creche pública é "muito residual".

No ano em que se concretiza o prometido alargamento do pré-escolar para crianças a partir dos quatro anos - até ao último ano letivo apenas as de cinco anos tinham obrigatoriamente direito a lugar numa creche pública - "só estão por colocar um número muito residual de alunos de 4 anos, em Lisboa e Vale do Tejo", disse à agência Lusa o Ministério da Educação (ME), não especificando o número.

Segundo a tutela, "a rede de pré-escolar está estabilizada, havendo garantia de oferta para todas as crianças de 4 e 5 anos em praticamente todo o país".

Nos casos em Lisboa em que isso ainda não acontece, a justificação do ME é a de que se tratam de "situações de crianças inscritas já fora de prazo, ou que não aceitaram vagas em escolas de outra preferência que não aquela que indicaram em primeiro lugar".

No final de agosto, números da tutela indicavam que 10% das crianças de quatro anos de Lisboa e Vale do Tejo ainda não tinham lugar na rede pré-escolar pública.

Na altura, o ministério esclareceu ainda que os critérios que regem as vagas na rede pública não se aplicam à chamada rede solidária e que os pais, quando inscrevem as crianças, devem indicar várias escolas por ordem de preferência.

"A maioria dos casos que estão agora a ser solucionados refere-se a situações em que os alunos não ficaram colocados na escola que indicaram como primeira opção", referiu a tutela no final de agosto.

Lusa

  • Genro de Donald Trump depõe hoje no Senado

    Mundo

    Jared Kushner, genro do Presidente dos EUA Donald Trump, vai hoje depor à porta fechada perante o comité dos serviços de inteligência do Senado, a câmara alta do Congresso norte-americano.

  • " A melhoria das contas públicas não foi feita à custa dos portugueses"
    1:30

    País

    Numa espécie de balaço deste ano e meio de governação, o primeiro-ministro voltou a assinalar voltou a assinalar a redução do défice e as melhorias nas contas públicas. Num jantar com militantes em Coimbra, António Costa garantiu ainda que a "verdadeira reforça do Estado avança até ao final desta legislatura, que é a Descentralização.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15