sicnot

Perfil

País

Bloco pede divulgação do inquérito à morte de militar em curso dos Comandos

O Bloco de Esquerda (BE) pediu esta quinta-feira ao Governo que divulgue o relatório do inquérito à morte de um militar no curso de Comandos do Exército, no domingo, questionando se "os abusos continuam" apesar de situações semelhantes no passado.

Num requerimento entregue esta quinta-feira na Assembleia da República, a bancada bloquista pede acesso, através do Ministério da Defesa Nacional, ao relatório do inquérito instaurado pelo chefe do Estado-Maior do Exército à morte do jovem, "a fim de conhecer as causas e os procedimentos que estiveram na origem deste trágico episódio".

Um homem morreu no domingo, na sequência de um "golpe de calor" durante um treino dos Comandos, e diversos outros receberam assistência hospitalar, estando ainda internados cinco: um no Curry Cabral - e que hoje se encontrava em lista de espera para transplante hepático -, três no Hospital das Forças Armadas e outro no Hospital da Cruz Vermelha.

No pedido, os deputados João Vasconcelos e Pedro Filipe Soares consideram essencial que o inquérito "apure todas as responsabilidades".

"Já no passado, o país foi confrontado com exercícios em cursos de Comandos que não respeitavam a integridade dos formandos. Foi isso que se repetiu", perguntam os bloquistas.

Para o BE, "se assim for, só prova que no passado não se fez tudo o que se deveria ter feito e que os problemas apenas foram omitidos, para os abusos continuarem a ser perpetrados".

O ministro da Defesa, José Azeredo Lopes, anunciou hoje que os cursos de Comandos do Exército vão ficar suspensos até ao final do inquérito à morte do militar, mas o Exército já esclareceu que o curso atualmente a decorrer - o 127.º - vai manter-se de forma "controlada e adaptada" e que apenas os próximos cursos é que vão ser suspensos até conclusão dos inquéritos em curso.

Lusa

  • Novas regras para os pagamentos em dinheiro vivo

    Economia

    Os pagamentos em dinheiro acima de 3.000 euros são proibidos a partir de quarta-feira, mas aos não residentes são permitidos pagamentos até 10 mil euros, ou o equivalente em moeda estrangeira, segundo um diploma hoje publicado.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.