sicnot

Perfil

País

"Noite não será amiga dos bombeiros" no Algarve devido ao vento

FILIPE FARINHA

O comandante distrital de operações de socorro de Faro, Vítor Vaz Pinto, perspetivou esta quinta-feira que "a noite não será amiga dos bombeiros" no combate ao incêndio florestal em Portimão e Monchique, devido sobretudo ao vento forte.

"O vento vai manter-se, as condições meteorológicas não nos vão facilitar muito a vida, por isso a noite não será amiga dos bombeiros", disse à Lusa.

Num ponto de situação feito pouco depois das 18:00 aos jornalistas, o responsável referiu que o incêndio -- que deflagrou no sábado em Monchique e foi dado como extinto no domingo, mas teve um reacendimento na quarta-feira e chegou ao município de Portimão - continua a lavrar com "muita intensidade".

Segundo Vítor Vaz Pinto, o vento dificultou o trabalho dos meios aéreos que foram mobilizados para o local, uma zona com muito edificado disperso pela serra.

Ainda assim, não havia até àquela hora registo de primeiras habitações destruídas.

"É estranho que um incêndio que estava consolidado se tivesse reacendido de forma tão fulminante, mas caberá às autoridades investigarem", referiu, quando questionado sobre a origem do fogo.

Para o combate foram mobilizados mais de 500 operacionais e, segundo a página da Proteção Civil na Internet, cerca de 200 viaturas e nove meios aéreos.

A presidente da Câmara de Portimão, Isilda Gomes, indicou que a maioria das pessoas que tiveram de abandonar as suas casas por prevenção está com familiares.

"Só temos quatro pessoas no posto de acolhimento, maioritariamente situações de mobilidade reduzida", apontou, sublinhando que o município está preparado para acolher outros moradores que necessitem.

Três povoações do concelho de Portimão -- Carriçal, Moinho da Rocha e Tabual - e o hotel Pestana junto ao Autódromo Internacional do Algarve tiveram de ser evacuados por precaução, face à intensidade do fumo, segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Faro.

De acordo com o CDOS, foram retiradas 28 pessoas das três localidades, mas não era conhecido o número de hóspedes e funcionários deslocados do hotel.

Isilda Gomes indicou que os hóspedes foram levados para outra unidade do grupo Pestana no concelho.

Lusa

  • "Tivemos cinco minutos para arrumar tudo e ir para o autódromo"
    4:17

    País

    O hotel Pestana Race junto ao Autódromo Internacional do Algarve, em Portimão, foi evacuado esta tarde devido ao incêndios florestais. Uma colaboradora do hotel, esteve em direto na Edição da Tarde da SIC Notícias para falar sobre a situação."Filipa" diz que as autoridades estão "fazer bem o seu trabalho" e que as chamas já estão controladas. A colaboradora do hotel realça o facto de ter tido apenas "cinco minutos para arrumar tudo e ir para o autódromo".

  • Fogo surpreende habitantes de Montes de Cima
    2:06

    País

    Na localidade de Montes de Cima, Portimão, o incêndio surpreendeu os habitantes. Há casas evacuadas e o combate às chamas está a ser dificultado pelo vento. Eis o relato feito esta tarde pelo repórter João Tiago.

  • Vento forte empurra fogo em Monchique para sul
    1:26

    País

    O fogo na Serra de Monchique continua sem dar tréguas aos bombeiros. Esta tarde, a estrada entre Monchique e Alvor, no concelho de Portimão, estava cortada ao trânsito, como relata o repórter Luís Godinho.

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".