sicnot

Perfil

País

Vinte e um concelhos do continente em risco máximo de incêndio

Vinte e um concelhos dos distritos de Faro, Santarém, Castelo Branco, Leiria, Guarda e Viseu encontram-se hoje sob risco Máximo de incêndio, segundo informação do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

De acordo com o IPMA, em risco Máximo de incêndio estão os concelhos de Monchique (Faro), Mação, Sardoal (Santarém), Vila de Rei, Oleiros e Sertã (Castelo Branco), Figueiró dos Vinhos, Pedrógão Grande e Castanheira de Pera (Leiria), Arganil, Góis e Pampilhosa da Serra (Coimbra), Sabugal, Guarda, Celorico da Beira, Gouveia e Fornos de Algodres (Guarda), Sernancelhe, Moimenta da Beira, Vila Nova de Paiva e Castro Daire (Viseu).

O Instituto colocou também em risco Elevado e Muito Elevado de incêndios vários concelhos de todos os distritos (18) de Portugal continental.

Quanto à Madeira, o Instituto colocou os concelhos de Machico e Santa Cruz em risco Elevado de incêndio e o resto da ilha e do Porto Santo em risco 'Moderado'.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA engloba cinco níveis, que podem variar entre Reduzido e Máximo.

O cálculo é feito com base nos valores observados às 13:00 em cada dia, relativamente à temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

O IPMA prevê para hoje no continente céu geralmente limpo, apresentando-se temporariamente muito nublado nas regiões norte e centro até meio da manhã e vento fraco a moderado de noroeste, soprando moderado a forte no litoral oeste e nas terras altas com rajadas até 70 quilómetros por hora, em especial durante a tarde.

A previsão aponta ainda para descida de temperatura, sendo acentuada nas regiões do interior norte e centro e no Alentejo.

Para a Madeira prevê-se períodos de céu muito nublado, aguaceiros em geral fracos, em especial nas vertentes norte e terras altas, a partir da tarde e vento fraco a moderado de nordeste.

Nos Açores está previsto períodos de céu muito nublado com boas abertas, aguaceiros fracos a partir da tarde no grupo oriental e vento fraco a bonançoso.

Quanto ás temperaturas, em Lisboa vão variar entre 17 e 24 graus Celsius, no Porto e em Viana do Castelo entre 14 e 22, em Vila Real entre 14 e 27, em Viseu entre 14 e 25, em Bragança entre 14 e 29, na Guarda entre 13 e 24, em Coimbra entre 16 e 24, em Castelo Branco entre 17 e 31, em Santarém entre 16 e 26, em Leiria entre 16 e 23, em Évora e Beja entre 16 e 30, em Faro entre 20 e 33, no Funchal entre 22 e 26, em Ponta Delgada e em Santa Cruz das Flores entre 20 e 26 e na Horta entre 20 e 27.

Lusa

  • Kikas faz história
    1:22
  • Madonna está outra vez em Lisboa 😲
    0:59
  • Nove fatores que aumentam o risco de demência

    Mundo

    Um em cada três casos de demência podia ter sido evitado sem recorrer a medicamentos. Um estudo publicado na revista científica The Lancet explica como é possível evitar a demência e quais os fatores que contribuem para a doença.

  • Hindus pedem a troca de nome da cerveja brasileira Brahma

    Mundo

    Um grupo de hindus pediu a mudança da marca de cerveja Brahma, propriedade da multinacional cervejeira Anheuser-Busch InBev, com sede em Lovaina, na Bélgica, argumentando que é inapropriado uma bebida alcoólica ter o nome que um deus hindu.

  • Manuais oferecidos aos alunos do 1.º ano não podem ser reutilizados
    2:42

    País

    As escolas querem que sejam devolvidos aos alunos os manuais do 1.ºo ano que foram dados gratuitamente pelo Estado para serem reutilizados nos próximos anos. A Associação de Diretores de Agrupamentos diz que os livros estão praticamente todos em bom estado, mas da forma como são feitos pelas editoras é impossível voltar a usá-los. As escolas querem que o Executivo chegue a um entendimento com as editoras para conceber manuais reutilizáveis.

  • Portugal com 3.ª maior dívida pública da UE

    Economia

    A dívida pública recuou, em termos homólogos, na zona euro e na União Europeia (UE), no primeiro trimestre, tendo Portugal registado a terceira maior dos 28 (130,5%), depois da Grécia e de Itália, divulga hoje o Eurostat.