sicnot

Perfil

País

Mais de 650 professores continuam com horário zero

O Ministério da Educação anunciou esta sexta-feira que foram preenchidos mais 1.120 horários completos e incompletos de professores, ficando ainda 667 docentes com horário zero.

Os resultados correspondem à primeira reserva de recrutamento, seguindo-se, nas próximas semanas, mais colocações através da reserva de recrutamento e contratação de escola.

De acordo com o ministério, foram colocados 165 docentes através do recurso a professores de carreira que estavam sem componente letiva, os chamados horários zero.

"Foram ainda retirados de concurso de reserva de recrutamento 747 docentes de carreira que ficaram colocados" no regime de mobilidade por doença e aos quais foi atribuída componente letiva pelas escolas, afirma o ministério: "Encontram-se nesta situação 4.160 docentes".

Os horários são ocupados, prioritariamente, por professores dos quadros que se encontravam sem componente letiva. Caso não haja docentes nesta situação para o lugar necessário, entram os candidatos à contratação, pela ordem de preferência manifestada.

A Reserva de Recrutamento 1 corresponde a horários solicitados pelas escolas até 05 de setembro.

"Resultam de horários não ocupados não ocupados no concurso de mobilidade interna e de novas necessidades declaradas pelas escolas", precisou o ministério, em comunicado.

Os professores agora colocados devem validar a aceitação da candidatura na plataforma eletrónica criada para o efeito, num prazo de 48 horas.

Lusa

  • Roger Moore, o ator que foi 007 e um Santo
    1:26

    Cultura

    Morreu Roger Moore. O ator britânico tinha 89 anos e morreu na Suíça, vítima de cancro. Ficou conhecido pelo mítico papel de James Bond entre os anos 70 e 80, tendo sido o ator que mais tempo se manteve no papel. Em 2003, foi condecorado pela rainha Isabel II e tornou-se Sir Roger Moore.

  • Ucrânia limita utilização do russo na televisão

    Mundo

    O Parlamento da Ucrânia aprovou esta terça-feira uma lei que determina que três quartos dos programas televisivos dos canais nacionais devem ser transmitidos em ucraniano, medida que visa limitar o uso da língua russa naquele país.