sicnot

Perfil

País

Encontradas "falhas notórias" no controlo dos Kamov de combate de incêndios

A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) concluiu que existiram "falhas notórias" nos procedimentos que asseguram que os helicópteros Kamov de combate a incêndios respeitam os requisitos para operarem em segurança, noticia hoje o jornal Público.

De acordo com um documento da IGAI a que o diário teve acesso, são três os altos dirigentes da Autoridade Nacional de Proteção Civil responsáveis por "99 deficiências - tecnicamente chamadas 'situações de não conformidade' -- no controlo de cinco helicópteros Kamov", propriedade do Estado. Entre os responsáveis está o presidente que se demitiu a 05 de setembro, Francisco Grave Pereira.

Segundo o Público, a análise técnica da documentação das aeronaves foi feita pela Inspeção Geral da Força Aérea, que prestou apoio técnico aos instrutores da IGAI e que, com base nessa avaliação, conclui que existiram "falhas notórias na esfera da gestão da aeronavegabilidade" por parte da Autoridade Nacional de Proteção Civil.

As deficiências que a Força Aérea imputa aos responsáveis da proteção civil foram divididas em várias categorias, sendo que a maioria das "situações de não conformidade", de 64 de 99, diz respeito a falhas no controlo do tempo de vida dos componentes instalados nos helicópteros, o que implica que pode ter havido peças usadas depois de esgotado o seu tempo de vida útil.

Outra das anomalias mais detetadas, 16 vezes, tem a ver com o "controlo ineficaz do processo de manutenção", o que pode ter levado à instalação nos Kamov de componentes que não cumpriam os requisitos, refere a notícia.

Foram também detetados problemas na configuração do programa informativo que regista ao pormenor todas as ações de manutenção e no preenchimento do mesmo, segundo avança o jornal.

À Lusa, fonte do Ministério da Administração Interna revelou que o relatório da IGAI tem "caráter sigiloso", escusando-se a fazer qualquer comentário.

Lusa

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.