sicnot

Perfil

País

Jovem detido em estádio de Coimbra após deflagrar engenho pirotécnico

Um jovem de 21 anos foi detido por ter deflagrado um engenho pirotécnico proibido no Estádio Universitário de Coimbra, anunciou a PSP em comunicado, esta segunda-feira.

A detenção verificou-se no domingo, ao fim da tarde, enquanto decorria um jogo de futebol entre a Académica (Secção de Futebol da Associação Académica de Coimbra, AAC) e o Grupo Desportivo da Gafanha da Nazaré, freguesia do concelho de Ílhavo, no distrito de Aveiro, onde o detido reside.

Elementos da polícia avistaram o suspeito, "que nas bancadas manietava um artigo pirotécnico em deflagração, libertando um fumo azul e que, quando se apercebeu estar a ser vigiado, o atirou para o chão", refere o Comando Distrital de Coimbra da PSP.

"Este artigo pirotécnico, apesar de ser comummente utilizado para fins de sinalização e salvamento, é proibido nas circunstâncias em causa, uma vez que a sua deflagração gera um grande perigo para as pessoas que o rodeiam, podendo provocar lesões graves e por conter substâncias tóxicas", adianta.

O jovem foi depois detido pelos agentes, que apreenderam o invólucro do engenho proibido.

Na mesma nota, a PSP informa que deteve no sábado, no Bairro da Rosa, um homem de 27 anos, residente na cidade, "pelo crime de injúrias e ameaças a agentes de autoridade".

"A detenção surge durante uma ação de fiscalização rodoviária durante a qual, sem que nada o fizesse prever, o indivíduo interpelou os agentes policiais, injuriando-os e ameaçando-os", sublinha.

Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão