sicnot

Perfil

País

Maioria dos alunos começa as aulas na quinta-feira

A maioria das escolas começa as aulas na quinta-feira, último dia da abertura oficial do ano letivo, segundo a Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), que lamenta a falta de operacionais técnicos.


O calendário de abertura oficial das escolas do ensino básico e secundário começou na passada sexta-feira e termina no dia 15, período durante o qual cerca de 1,2 milhões de alunos começam as aulas.

"A minha escola começa hoje e existem outras que também o vão fazer, mas a grande maioria só vai começar na quinta-feira", contou à Lusa o presidente da ANDAEP, Filinto Lima, explicando que as escolas optam pelo último dia para garantir que têm todos os docentes colocados.

"De há muitos anos a esta parte, há muitos professores que chegam tardiamente às escolas e, como os diretores não querem arriscar, adiam o arranque letivo. Este ano, pela primeira vez desde que sou diretor escolar, os professores estavam todos colocados a 1 de setembro, o que nos surpreendeu pela positiva", disse.

Também o presidente da Confederação Nacional Independente de Pais e Encarregados de Educação (CNIPE), Rui Martins, considera que "este ano as coisas estão a correr melhor".

"Os professores já estão todos nas escolas e, ao contrário do que aconteceu antes, nenhum aluno vai ficar sem aulas. Esta situação dá uma maior estabilidade às escolas", defendeu Rui Martins, que considera que agora é preciso diminuir o número de alunos por turma e aumentar o número de funcionários.

Filinto Lima partilha da mesma opinião: "As escolas vão abrir mesmo com falta de operacionais técnicos. É preciso olhar para as escolas com atenção. Se existe dinheiro para a Caixa Geral de Depósitos também tem de existir para contratar estas pessoas, que ganham o salário mínimo nacional", criticou.

Outro dos temas que a ANDAEP pretende debater é a possibilidade de substituir os três períodos atuais por apenas dois semestres: "Este ano, os alunos vão ter um primeiro período muito grande, com 67 dias de aulas. Depois têm um segundo período de 63 dias e finalmente o último período terá apenas 33 dias, no caso dos alunos do 9.º ano. Isto acontece porque estamos sempre dependentes do feriado móvel da Pascoa".

Também a CNIPE defende que deveria haver um ajustamento da dimensão dos períodos de forma a ficarem mais homogéneos.

O ministro da Educação marcou o início do ano escolar na passada sexta-feira com uma visita ao Agrupamento de Escolas Fernando Casimiro Pereira da Silva, em Rio Maior, onde estudam cerca de 1.200 alunos.

O ano letivo 2016-2017 é marcado pela distribuição gratuita de manuais escolares às cerca de 80 mil crianças do 1.º ano do 1.º Ciclo.

Na quarta-feira, dia 14, cerca de 30 membros do executivo vão visitar escolas, numa iniciativa anunciada como uma homenagem à comunidade educativa.

Neste dia, o primeiro-ministro, António Costa, 15 ministros e 12 secretários de Estado voltam, na sua maioria, a uma das escolas em que estudaram.

Lusa

  • Escola de Tavira com falta de pessoal preocupa pais
    2:26

    País

    Os pais dos alunos colocados na escola EB 2,3 Dom Paio Peres, em Tavira, temem que a escola não esteja em condições de abrir. Os pais queixam-se de desconhecer em que condições de segurança vai abrir a escola. Existe falta de funcionários, fruto de baixas médicas. A direção do agrupamento reconhece que a situação é crítica, mas que deslocará funcionários de outras escolas.

  • Início de ano letivo é sinónimo de despesas para muitas famílias
    4:06

    País

    O ano letivo arrancou oficialmente na sexta-feira mas as escolas têm até ao dia 15 para receber os alunos. Seja no ensino público ou no ensino privado estes dias servem para que as famílias preparem o material escolar e os manuais, para que nada falte no regresso às aulas. As despesas com a compra de material pesam no orçamento de muitas famílias portuguesas.

  • Diretores querem calendário escolar com dois semestres

    País

    Mais de metade dos diretores dos agrupamentos escolares (54,1%) concorda que o calendário escolar passe para apenas dois semestres, em vez dos habituais três períodos letivos. Os dados são de um inquérito sobre sobre "O que pensam os diretores e os presidentes de Conselhos Gerais sobre questões pertinentes da escola portuguesa".

  • Crianças sem escola a semanas do regresso às aulas

    País

    A três semanas das aulas começarem ainda há crianças sem escola atribuída. O Ministério da Educação garante que todas as crianças a partir dos quatro anos terão lugar numa escola pública, mas em certos estabelecimentos não há vagas e os pais continuam sem saber onde vão colocar os fillhos.

  • Negócios do fogo
    22:00

    Reportagem Especial

    Todos os anos, o Estado gasta centenas de milhões de euros para financiar os meios de combate aos incêndios. A reportagem especial da SIC denuncia falta de rigor e clareza em muitos dos negócios.

  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.