sicnot

Perfil

País

Polícia Municipal de Lisboa levantou 35 mil autos de contraordenação num ano

© Rafael Marchante / Reuters

A Polícia Municipal de Lisboa levantou, entre setembro de 2015 e agosto deste ano, cerca de 35 mil autos por contraordenações rodoviárias, o que corresponde a um acréscimo de 16,5% face ao mesmo período homólogo.

Falando na cerimónia dos 125 anos da Polícia Municipal de Lisboa, nos Paços do Concelho, o comandante desta força de segurança, Paulo Caldas, informou que, ainda no âmbito da fiscalização rodoviária, foram bloqueadas mais de 7.000 viaturas e rebocadas 2.900.

No ano homólogo anterior foram 1.900 os carros rebocados por esta polícia, acrescentou.

No que toca à fiscalização municipal, registou-se um aumento de 14,5% nas "desocupações e despejos".

Ao mesmo tempo, verificaram-se 5.250 averiguações no âmbito do licenciamento zero, o que significou um aumento de 8,5%.

Na venda ambulante, foram fiscalizados "mais de 4.700 operadores", segundo Paulo Caldas.

A polícia municipal aumentou também em 27,1% o número de ações de fiscalização de obras, tendo feito 221 embargos, mais 63% que no período homólogo, informou.

Relativamente aos veículos abandonados, retiraram-se "mais de 850 viaturas" da via pública e fizeram-se 900 apropriações, resultando em 1.050 processos elaborados.

A Polícia Municipal de Lisboa, integrada na estrutura da Câmara e equiparada a direção municipal, é composta por 361 oficiais, chefes e agentes da PSP em comissão de serviço. Existem, também, 105 colaboradores civis.

Discursando na cerimónia, Paulo Caldas salientou que "a Polícia Municipal precisa de continua a apostar nos recursos humanos qualificados", que, na sua ótica, "nunca deixarão de ser insuficientes para dar resposta a uma cidade que não dorme e cujos desafios são constantes.

O responsável apontou, também, os "esforços no sentido da modernização dos serviços e simplificação dos processos, com objetivo de melhorar o desempenho".

Para isso, exemplificou que, no ano passado, foi criado um "sistema de contraordenações de trânsito, que ficou completamente operacional em janeiro deste ano, permitindo uma evolução e consolidação do processo e gestão das contraordenações", bem como a sua cobrança.

Já no âmbito do Plano de Acessibilidade Pedonal, a Polícia Municipal está a desenvolver, com a autarquia, uma "aplicação 'online' para a gestão das ocorrências de estacionamento abusivo e dos veículos bloqueadores", adiantou Paulo Caldas.

Lusa

  • Passos começou a fazer oposição

    Bernardo Ferrão

    É inegável a habilidade política de António Costa mas no caso da TSU e do acordo de Concertação Social só cai quem quer. A verdade dos factos é que o primeiro-ministro fechou um acordo sabendo que não o podia cumprir. E agora tenta desviar-nos o olhar para o PSD, como se fosse ele o culpado, quando o problema está na geringonça. Antes de atacar Passos, Costa devia resolver os problemas em casa com o PCP e BE.

    Bernardo Ferrão

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.