sicnot

Perfil

País

Polícia Municipal de Lisboa levantou 35 mil autos de contraordenação num ano

© Rafael Marchante / Reuters

A Polícia Municipal de Lisboa levantou, entre setembro de 2015 e agosto deste ano, cerca de 35 mil autos por contraordenações rodoviárias, o que corresponde a um acréscimo de 16,5% face ao mesmo período homólogo.

Falando na cerimónia dos 125 anos da Polícia Municipal de Lisboa, nos Paços do Concelho, o comandante desta força de segurança, Paulo Caldas, informou que, ainda no âmbito da fiscalização rodoviária, foram bloqueadas mais de 7.000 viaturas e rebocadas 2.900.

No ano homólogo anterior foram 1.900 os carros rebocados por esta polícia, acrescentou.

No que toca à fiscalização municipal, registou-se um aumento de 14,5% nas "desocupações e despejos".

Ao mesmo tempo, verificaram-se 5.250 averiguações no âmbito do licenciamento zero, o que significou um aumento de 8,5%.

Na venda ambulante, foram fiscalizados "mais de 4.700 operadores", segundo Paulo Caldas.

A polícia municipal aumentou também em 27,1% o número de ações de fiscalização de obras, tendo feito 221 embargos, mais 63% que no período homólogo, informou.

Relativamente aos veículos abandonados, retiraram-se "mais de 850 viaturas" da via pública e fizeram-se 900 apropriações, resultando em 1.050 processos elaborados.

A Polícia Municipal de Lisboa, integrada na estrutura da Câmara e equiparada a direção municipal, é composta por 361 oficiais, chefes e agentes da PSP em comissão de serviço. Existem, também, 105 colaboradores civis.

Discursando na cerimónia, Paulo Caldas salientou que "a Polícia Municipal precisa de continua a apostar nos recursos humanos qualificados", que, na sua ótica, "nunca deixarão de ser insuficientes para dar resposta a uma cidade que não dorme e cujos desafios são constantes.

O responsável apontou, também, os "esforços no sentido da modernização dos serviços e simplificação dos processos, com objetivo de melhorar o desempenho".

Para isso, exemplificou que, no ano passado, foi criado um "sistema de contraordenações de trânsito, que ficou completamente operacional em janeiro deste ano, permitindo uma evolução e consolidação do processo e gestão das contraordenações", bem como a sua cobrança.

Já no âmbito do Plano de Acessibilidade Pedonal, a Polícia Municipal está a desenvolver, com a autarquia, uma "aplicação 'online' para a gestão das ocorrências de estacionamento abusivo e dos veículos bloqueadores", adiantou Paulo Caldas.

Lusa

  • Turistas chegam a esperar 2 horas no controlo de passaporte do Aeroporto de Lisboa
    2:35

    País

    Chegar ao Aeroporto de Lisboa pode ser uma dor de cabeça para centenas de passageiros. A espera para o controlo de passaporte chegou a ultrapassar as duas horas nos meses de fevereiro e março. Manuela Niza, do Sindicato dos Funcionários do Serviços de Estrangeiros e Fronteiras, diz que têm sido contratados inspetores que depois são desviados para outros serviços.

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • "Dinheiro gasto em contentores dava para construir outro hospital" no Porto
    1:40

    País

    A bastonária dos Enfermeiros pede uma investigação aos contratos de contentores no Hospital de São João, no Porto. Ana Rita Cavaco diz que os "milhares de euros" já gastos na contratação e manutenção dos contentores da Pediatria e outros serviços do centro Hospitalar de São João davam para construir um novo hospital. E levanta ainda a suspeita sobre a empresa contratada.