sicnot

Perfil

País

Um dos dois reclusos feridos em Sintra continua internado

Dois reclusos do Estabelecimento Prisional de Sintra receberam assistência hospitalar, encontrando-se um ainda internado, na sequência de confrontos entre sete presos, na manhã de domingo, confirmou esta segunda-feira a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP).

Segundo uma resposta por escrito enviada à Lusa, cerca das 10:30 de 11 de setembro, "no seguimento das visitas, verificou-se, no Estabelecimento Prisional de Sintra, uma situação de confronto físico que envolveu sete reclusos".

A situação foi "resolvida pelos elementos da vigilância no âmbito do desempenho normal das suas funções", mas do conflito "resultaram ferimentos, por arma branca de fabrico artesanal, em dois reclusos que foram assistidos em hospital do Serviço Nacional de Saúde", é explicado na nota do diretor de relações externas da DGRSP.

Um dos feridos ficou "internado, apesar do seu estado de saúde não inspirar cuidados e estar a evoluir favoravelmente", esclareceu a mesma fonte oficial.

"Os reclusos envolvidos no incidente foram todos identificados e cautelarmente separados da restante população prisional", salientou a DGRSP, acrescentando que "estão a ser tomadas as medidas necessárias e adequadas para impedir novos conflitos e para manter a ordem no Estabelecimento Prisional de Sintra".

A DGRSP não revelou as idades dos feridos, bem como os motivos que estiveram na origem dos confrontos, concluindo apenas que "está, igualmente, a decorrer processo disciplinar aos reclusos envolvidos".

O Estabelecimento Prisional de Sintra já antes foi objeto de um inquérito, devido a uma alegada festa realizada no bar de reclusos, filmada com o recurso a telemóveis pelos presos, apesar de proibidos de utilizar no interior da cadeia.

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.