sicnot

Perfil

País

Pentágono nunca considerou instalar nas Lajes um centro de informações

© AP

Documentos internos do Departamento de Defesa dos Estados Unidos provam que a Base das Lajes nunca foi considerada para a instalação de um centro de informações, ao contrário do anunciado publicamente, confirmou à Lusa uma fonte ligada ao processo.

Os documentos do Pentágono, que não foram tornados públicos, mostram que uma série de cartas enviadas ao Congresso dos Estados Unidos por oficiais militares referiam que a Base das Lajes, na ilha Terceira, Açores, não era opção por questões financeiras e técnicas que tinham sido avaliadas.

A intenção do Departamento de Defesa foi sempre instalar o centro de informações em Inglaterra, alegadamente porque é mais fácil atrair funcionários especializados para viver perto de Londres do que para os Açores.

Durante mais de um ano, a Câmara dos Representantes, a câmara baixa do Congresso, num movimento liderado pelo congressista lusodescendente Devin Nunes, perguntou ao Pentágono porque não instalava o centro nas Lajes, dizendo que esta opção representava uma poupança de 1,5 mil milhões de dólares a longo prazo.

O Pentágono respondeu dizendo que o centro na Inglaterra permitia uma poupança de 74 milhões de dólares por ano e que a opção das Lajes representaria um investimento inicial de 1,14 mil milhões de dólares, e um custo anual extra de 43 milhões.

Na altura, Devin Nunes disse à Lusa que estes números eram "completamente fabricados" e que "o Pentágono está a usar informação largamente incorreta e a alterar números para justificar a decisão que pretende quanto à localização do Centro Conjunto de Análise de Informação". Foi então iniciada uma investigação na Câmara dos Representantes que ainda decorre.

Os documentos agora conhecidos mostram que foi apenas depois de o orçamento militar dos EUA exigir um relatório sobre o assunto que o Pentágono produziu um relatório analisando a opção açoriana.

O relatório foi divulgado em março deste ano e afastou a hipótese de a Base das Lajes receber o centro ou qualquer outro uso alternativo.

"A Base Aérea de Croughton, no Reino Unido, continua a localização ótima para o Complexo de Análise de Informação Conjunta. Com base em requisitos operacionais, as Lajes não são a localização ideal", disse na altura um porta-voz do Pentágono à agência Lusa.

O novo complexo, que está a ser construído na base de Croughton vai reunir varias agências e organismos dos serviços de informação e será o maior deste género fora do território norte-americano.

A sua construção está orçamentada em 317 milhões de dólares, cerca de 281 milhões de euros.

A 8 de janeiro de 2015, o secretário da Defesa dos Estados Unidos, Chuck Hagel, anunciou uma redução de 500 militares na base das Lajes.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.