sicnot

Perfil

País

Pentágono nunca considerou instalar nas Lajes um centro de informações

© AP

Documentos internos do Departamento de Defesa dos Estados Unidos provam que a Base das Lajes nunca foi considerada para a instalação de um centro de informações, ao contrário do anunciado publicamente, confirmou à Lusa uma fonte ligada ao processo.

Os documentos do Pentágono, que não foram tornados públicos, mostram que uma série de cartas enviadas ao Congresso dos Estados Unidos por oficiais militares referiam que a Base das Lajes, na ilha Terceira, Açores, não era opção por questões financeiras e técnicas que tinham sido avaliadas.

A intenção do Departamento de Defesa foi sempre instalar o centro de informações em Inglaterra, alegadamente porque é mais fácil atrair funcionários especializados para viver perto de Londres do que para os Açores.

Durante mais de um ano, a Câmara dos Representantes, a câmara baixa do Congresso, num movimento liderado pelo congressista lusodescendente Devin Nunes, perguntou ao Pentágono porque não instalava o centro nas Lajes, dizendo que esta opção representava uma poupança de 1,5 mil milhões de dólares a longo prazo.

O Pentágono respondeu dizendo que o centro na Inglaterra permitia uma poupança de 74 milhões de dólares por ano e que a opção das Lajes representaria um investimento inicial de 1,14 mil milhões de dólares, e um custo anual extra de 43 milhões.

Na altura, Devin Nunes disse à Lusa que estes números eram "completamente fabricados" e que "o Pentágono está a usar informação largamente incorreta e a alterar números para justificar a decisão que pretende quanto à localização do Centro Conjunto de Análise de Informação". Foi então iniciada uma investigação na Câmara dos Representantes que ainda decorre.

Os documentos agora conhecidos mostram que foi apenas depois de o orçamento militar dos EUA exigir um relatório sobre o assunto que o Pentágono produziu um relatório analisando a opção açoriana.

O relatório foi divulgado em março deste ano e afastou a hipótese de a Base das Lajes receber o centro ou qualquer outro uso alternativo.

"A Base Aérea de Croughton, no Reino Unido, continua a localização ótima para o Complexo de Análise de Informação Conjunta. Com base em requisitos operacionais, as Lajes não são a localização ideal", disse na altura um porta-voz do Pentágono à agência Lusa.

O novo complexo, que está a ser construído na base de Croughton vai reunir varias agências e organismos dos serviços de informação e será o maior deste género fora do território norte-americano.

A sua construção está orçamentada em 317 milhões de dólares, cerca de 281 milhões de euros.

A 8 de janeiro de 2015, o secretário da Defesa dos Estados Unidos, Chuck Hagel, anunciou uma redução de 500 militares na base das Lajes.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.