sicnot

Perfil

País

Pentágono nunca considerou instalar nas Lajes um centro de informações

© AP

Documentos internos do Departamento de Defesa dos Estados Unidos provam que a Base das Lajes nunca foi considerada para a instalação de um centro de informações, ao contrário do anunciado publicamente, confirmou à Lusa uma fonte ligada ao processo.

Os documentos do Pentágono, que não foram tornados públicos, mostram que uma série de cartas enviadas ao Congresso dos Estados Unidos por oficiais militares referiam que a Base das Lajes, na ilha Terceira, Açores, não era opção por questões financeiras e técnicas que tinham sido avaliadas.

A intenção do Departamento de Defesa foi sempre instalar o centro de informações em Inglaterra, alegadamente porque é mais fácil atrair funcionários especializados para viver perto de Londres do que para os Açores.

Durante mais de um ano, a Câmara dos Representantes, a câmara baixa do Congresso, num movimento liderado pelo congressista lusodescendente Devin Nunes, perguntou ao Pentágono porque não instalava o centro nas Lajes, dizendo que esta opção representava uma poupança de 1,5 mil milhões de dólares a longo prazo.

O Pentágono respondeu dizendo que o centro na Inglaterra permitia uma poupança de 74 milhões de dólares por ano e que a opção das Lajes representaria um investimento inicial de 1,14 mil milhões de dólares, e um custo anual extra de 43 milhões.

Na altura, Devin Nunes disse à Lusa que estes números eram "completamente fabricados" e que "o Pentágono está a usar informação largamente incorreta e a alterar números para justificar a decisão que pretende quanto à localização do Centro Conjunto de Análise de Informação". Foi então iniciada uma investigação na Câmara dos Representantes que ainda decorre.

Os documentos agora conhecidos mostram que foi apenas depois de o orçamento militar dos EUA exigir um relatório sobre o assunto que o Pentágono produziu um relatório analisando a opção açoriana.

O relatório foi divulgado em março deste ano e afastou a hipótese de a Base das Lajes receber o centro ou qualquer outro uso alternativo.

"A Base Aérea de Croughton, no Reino Unido, continua a localização ótima para o Complexo de Análise de Informação Conjunta. Com base em requisitos operacionais, as Lajes não são a localização ideal", disse na altura um porta-voz do Pentágono à agência Lusa.

O novo complexo, que está a ser construído na base de Croughton vai reunir varias agências e organismos dos serviços de informação e será o maior deste género fora do território norte-americano.

A sua construção está orçamentada em 317 milhões de dólares, cerca de 281 milhões de euros.

A 8 de janeiro de 2015, o secretário da Defesa dos Estados Unidos, Chuck Hagel, anunciou uma redução de 500 militares na base das Lajes.

Lusa

  • "Estou a ser posta porta fora (...) faço o que vocês me disserem"
    2:43
  • Repitam comigo: Portugal vai ser campeão do Mundo
    4:56
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Rapper XXXTentacion morto em aparente tentativa de roubo

    Cultura

    O rapper norte-americano XXXTentacion, de 20 anos, morreu na noite de segunda-feira depois de ter sido baleado, na Florida, no sudeste dos Estados Unidos. Um dos suspeitos terá disparado e atingido o rapper e, de seguida, dois suspeitos fugiram numa viatura escura. A polícia está a considerar tentativa de roubo.

  • Merkel tem duas semanas para negociar solução para crise migratória

    Mundo

    A chanceler alemã tem duas semanas para negociar com os parceiros europeus uma solução para a questão migratória e assim evitar uma crise política. O ultimato foi dado pelo CSU, o partido da Baviera que integra a coligação governamental. Ao contrário de Angela Merkel, defende uma política para os refugiados mais estrita.