sicnot

Perfil

País

Portugueses fizeram mapa de mil milhões de estrelas da Via Láctea

ESA/Gaia/DPAC

O sistema que permite visualizar e explorar os mais de mil milhões de estrelas da Via Láctea e o mapa daquela galáxia, apresentado hoje pela Agência Espacial Europeia (ESA), foram feitos por uma equipa de investigadores portugueses.

"Obter com muita exatidão as posições das estrelas da nossa galáxia" é o principal objetivo da missão Gaia da ESA, recordou hoje André Moitinho de Almeida, professor do Departamento de Física de Ciências Universidade de Lisboa e investigador no CENTRA, que coordena a equipa portuguesa composta por mais de 20 investigadores e engenheiros que têm trabalhado na missão Gaia.

Hoje, cientistas do centro da ESA em Madrid divulgaram um mapa surpreendente da Via Láctea, com estrelas meio milhão de vezes mais afastadas do que aquelas que podem ser vistas a olha nu.

"Esse mapa fomos nós que fizemos", contou à Lusa o coordenador da equipa portuguesa, explicando que a sua equipa desenvolveu sistemas que permitem visualizar, explorar e tornar inteligíveis de uma forma global os dados de mais de mil milhões de estrelas.

Desde que foi lançada, em 2013, a missão espacial Gaia mapeou mais de 1,15 milhões de estrelas na Via Láctea, que é o maior e o mais preciso mapa do céu alguma vez produzido.

A equipa portuguesa debruçou-se sobre a forma de conseguir transformar toda esta informação em algo inteligível: "Como é que vou agarrar mil milhões de estrelas? Vou ficar ofuscado com tanta informação. Então, começámos a desenvolver sistemas que permitem agarrar nessa massa enorme de dados", recordou André Moitinho de Almeida.

As imagens foram capturas pelos telescópios gémeos do Gaia, que ininterruptamente percorrem os céus, e registadas numa câmara com resolução de mil milhões de pixéis -- a mais potente até agora colocada ao dispor do estudo do espaço.

Para fazer este mapa, o grau de resolução é de tal forma elevado que André Moitinho explica que a nitidez permitiria distinguir "a espessura de um cabelo humano à distância de mil quilómetros ou o tamanho da unha de uma pessoa que esteja na lua".

Através da missão Gaia será possível detetar milhares de planetas extrassolares ou asteroides que podem colidir com a Terra e supernovas.

A equipa de investigadores portugueses que tem estado envolvida neste projeto, em diferentes momentos, é composta por investigadores e engenheiros da Universidade de Lisboa, da Universidade Nova de Lisboa, da Universidade de Coimbra e da Universidade do Porto, com competências nas áreas de Astronomia, inteligência artificial, bases de dados, programação, ótica e geodesia, participaram nesta missão.

O projeto de estudo da Via Láctea deverá estar concluído entre 2012 e 2022 e tem um custo estimado de mil milhões de euros, "o que é curioso, porque poderíamos dizer que custa um euro por estrela", disse o investigador.

Lusa

ESA/Gaia/DPAC

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.