sicnot

Perfil

País

Portugueses fizeram mapa de mil milhões de estrelas da Via Láctea

ESA/Gaia/DPAC

O sistema que permite visualizar e explorar os mais de mil milhões de estrelas da Via Láctea e o mapa daquela galáxia, apresentado hoje pela Agência Espacial Europeia (ESA), foram feitos por uma equipa de investigadores portugueses.

"Obter com muita exatidão as posições das estrelas da nossa galáxia" é o principal objetivo da missão Gaia da ESA, recordou hoje André Moitinho de Almeida, professor do Departamento de Física de Ciências Universidade de Lisboa e investigador no CENTRA, que coordena a equipa portuguesa composta por mais de 20 investigadores e engenheiros que têm trabalhado na missão Gaia.

Hoje, cientistas do centro da ESA em Madrid divulgaram um mapa surpreendente da Via Láctea, com estrelas meio milhão de vezes mais afastadas do que aquelas que podem ser vistas a olha nu.

"Esse mapa fomos nós que fizemos", contou à Lusa o coordenador da equipa portuguesa, explicando que a sua equipa desenvolveu sistemas que permitem visualizar, explorar e tornar inteligíveis de uma forma global os dados de mais de mil milhões de estrelas.

Desde que foi lançada, em 2013, a missão espacial Gaia mapeou mais de 1,15 milhões de estrelas na Via Láctea, que é o maior e o mais preciso mapa do céu alguma vez produzido.

A equipa portuguesa debruçou-se sobre a forma de conseguir transformar toda esta informação em algo inteligível: "Como é que vou agarrar mil milhões de estrelas? Vou ficar ofuscado com tanta informação. Então, começámos a desenvolver sistemas que permitem agarrar nessa massa enorme de dados", recordou André Moitinho de Almeida.

As imagens foram capturas pelos telescópios gémeos do Gaia, que ininterruptamente percorrem os céus, e registadas numa câmara com resolução de mil milhões de pixéis -- a mais potente até agora colocada ao dispor do estudo do espaço.

Para fazer este mapa, o grau de resolução é de tal forma elevado que André Moitinho explica que a nitidez permitiria distinguir "a espessura de um cabelo humano à distância de mil quilómetros ou o tamanho da unha de uma pessoa que esteja na lua".

Através da missão Gaia será possível detetar milhares de planetas extrassolares ou asteroides que podem colidir com a Terra e supernovas.

A equipa de investigadores portugueses que tem estado envolvida neste projeto, em diferentes momentos, é composta por investigadores e engenheiros da Universidade de Lisboa, da Universidade Nova de Lisboa, da Universidade de Coimbra e da Universidade do Porto, com competências nas áreas de Astronomia, inteligência artificial, bases de dados, programação, ótica e geodesia, participaram nesta missão.

O projeto de estudo da Via Láctea deverá estar concluído entre 2012 e 2022 e tem um custo estimado de mil milhões de euros, "o que é curioso, porque poderíamos dizer que custa um euro por estrela", disse o investigador.

Lusa

ESA/Gaia/DPAC

  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.