sicnot

Perfil

País

António Costa considera que defender o SNS é desenvolver mais políticas de saúde públicas

O primeiro-ministro António Costa disse esta quinta-feira, em Coimbra, que a melhor forma de defender o Serviço Nacional de Saúde (SNS), que completa o 37.º aniversário, é desenvolver mais políticas de saúde na rede pública.

"Para defender o SNS não basta celebrá-lo, praticá-lo, é preciso desenvolvê-lo. E desenvolver o SNS é seguramente prosseguir o que ainda falta fazer: desenvolver a rede de cuidados de saúde primários, densificar e trazer novas valências para os cuidados de saúde primários, desde a saúde oral à oftalmologia, mas também os cuidados continuados, que é uma necessidade crescente, num país que tem ganho esperança de vida", sublinhou.

O chefe do Governo discursava na sessão de homenagem ao SNS e a António Arnaut, autor da lei da sua criação, em 1978, que decorreu ao início da tarde no auditório dos Hospitais da Universidade de Coimbra, promovida pelo Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) e Administração Regional de Saúde do Centro.

Na sua intervenção, que demorou cerca de cinco minutos, o primeiro-ministro salientou que "a criação do SNS é, certamente, um dos maiores ganhos civilizacionais que a democracia nos deu, que se traduz, desde logo, pela qualidade dos ganhos de saúde para a população, desde a redução extraordinária da mortalidade infantil ao aumento da esperança de vida".

"Esses ganhos de saúde e a sua acessibilidade a todos os cidadãos é, seguramente, um dos maiores ganhos que o 25 de Abril tornou possível", reiterou António Costa, considerando que o SNS é hoje um "fator de coesão nacional, mas também de unidade política em Portugal".

Salientando que hoje "todos defendemos o SNS", o governante recordou que, há 37 anos, não existia consenso atual no espetro político, mas que o SNS "suplantou todos os receios" e depois de "muitos Governos, múltiplas políticas e prioridades de saúde, permanece e resiste".

Antes da sessão de homenagem ao SNS, da qual saiu logo a seguir à sua intervenção, o primeiro-ministro presidiu à inauguração de um busto do advogado António Arnaut, que ficou localizado no centro de uma rotunda que dá acesso ao auditório dos Hospitais da Universidade de Coimbra.

Lusa

  • "Até para o ano", a mensagem de Ronaldo para os adeptos do Real Madrid
  • Despenalização da eutanásia votada na terça-feira no Parlamento
    2:04
  • Há companhias aéreas a contratar. TAP é uma delas
    1:28

    Economia

    Com o crescimento do turismo, que continua a bater recordes, as companhias aéreas querem profissionais para reforçar as rotas com maior procura e oferecer novos destinos. Só a TAP prevê contratar mais 700 pessoas este ano para várias funções, incluindo 300 tripulantes de cabine e 170 pilotos.

  • O bombeiro herói que recebe 267 euros de pensão
    2:36
  • Funcionários dos EUA na Coreia do Norte para preparar cimeira
    2:19